2189
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Análise dos acidentes por queimadura com álcool líquido em Unidade de Tratamento de Queimados em Sergipe

Evaluation of burn accidents with liquid alcohol at a Burns Care Unit in Sergipe

Victor Hugo Oliveira Leite1; Luanda Prata Fraga Resende1; Monike Ellen Martins Souza1; Ingrid Xavier de-Assis1; Kênya de Souza Borges2; Bruno Barreto Cintra2

RESUMO

OBJETIVOS: Avaliar o perfil epidemiológico e a gravidade dos pacientes internados na Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Hospital de Urgências de Sergipe (HUSE) devido a queimadura por acidente com álcool líquido.
MÉTODO: Estudo retrospectivo, quantitativo e descritivo com análise secundária de dados coletados no sistema de registro do serviço de Cirurgia Plástica da UTQ do HUSE referentes ao período de janeiro de 2010 a junho de 2016. Analisou-se sexo, idade, gravidade, área (s) acometida (s), porte, tempo de internaçao e óbito.
RESULTADOS: Foram analisados 157 registros (12%), notando-se maior prevalência de adultos 130 (82,8%), do sexo masculino 95 (60,51%). Todos os pacientes internados apresentaram queimaduras de 2º grau, sendo que houve registro de 10 pacientes (6,37%) com queimaduras de 1º grau e de 23 pacientes (14,65%) de 3º grau associadas. As áreas mais acometidas foram face 76 (48,40%), membros superiores 61 (38,85%), tronco 52 (33,12%), membros inferiores 51 (32,48%), regiao cervical 50 (31,84%), tórax 40 (25,47%), abdome 28 (17,83%), dorso 12 (7,64%), regiao glútea sete (4,45%) e genitália cinco (3,18%). Foram registrados 89 (56,7%) como médios queimados. A média de dias de internaçao foi de 26,63. Foram registrados 13 óbitos (8,3%).
CONCLUSOES: O maior grupo de internados na UTQ do HUSE devido a queimadura por acidente com álcool líquido foi de adultos do sexo masculino. As queimaduras de 2º grau em face e membros superiores foram as mais prevalentes. O tempo de internaçao faz atentar quanto aos gastos no Sistema Unico de Saúde por paciente queimado. O número de óbitos foi relativamente alto.

Palavras-chave: Queimaduras. Unidades de Queimados. Etanol. Epidemiologia.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To evaluate the epidemiological profile and the severity of patients admitted to the Burn Care Unit of the Hospital of Urgencies of Sergipe (HUSE) due to burning by accident with liquid alcohol.
METHODS: Retrospective, quantitative, and descriptive study with secondary analysis of data collected through the registration system of the Plastic Surgery Service of the burn care unit HUSE for the period from January 2010 to June 2016. Data were analyzed according to sex, age, severity, affected(s) area(s), size, length of hospital stay, and death.
RESULTS: We analyzed 157 records (12%), noting a higher prevalence of adults 130 (82.8%) and male 95 (60.51%). All hospitalized patients had 2nd degree burns, and were recorded in 10 patients (6.37%) 1st degree and 23 patients (14.65%) 3rd degree associated. The most affected areas were face 76 (48.40%), upper limbs 61 (38.85%), trunk 52 (33.12%), lower limbs 51 (32.48%), neck 50 (31.84 %), chest 40 (25.47%), abdomen 28 (17.83%), back 12 (7.64%), the gluteal region seven (4.45%) and genitalia five (3.18%). They recorded 89 (56.7%) and average burned. The mean length of hospital stay was 26.63. Thirteen deaths (8.3%) were recorded.
CONCLUSIONS: The largest group hospitalized in the burn care unit of HUSE due to burn by accident with liquid alcohol was adult males. Burns 2nd degree in the face and upper limbs were the most prevalent. The length of stay is to pay attention as to costs in public health system in Brazil. The number of deaths was relatively high.

Keywords: Burns. Burn Units. Ethanol. Epidemiology.

INTRODUÇAO

As queimaduras representam um dos mais importantes traumas na Medicina. Pelo fato de poderem acometer qualquer faixa etária, percebe-se que o contingente de pacientes admitidos em unidades de tratamento de queimados é muito diverso. Além disso, por possuir vários potenciais agentes causadores, as queimaduras sao um grupo de doenças a serem tratadas com muita cautela1,2.

O álcool líquido é o principal agente relacionado às queimaduras por substâncias inflamáveis. Por ser um produto disponível em diversos setores à populaçao, nao possui restriçao eficaz que sirva de informativo e/ou preventivo aos seus consumidores1,3. Facilidade de manuseio, preço acessível e cultura de assepsia domiciliar levam à maior exposiçao. Embora existam especificaçoes do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO) quanto ao envasamento do álcool líquido, os acidentes domésticos de combustao ainda se apresentam como importante causa da queimadura por acidente com o produto3.

Foi publicada no Diário Oficial da Uniao a Resoluçao nº 46, de 20 de fevereiro de 2002, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que tratava da proibiçao de comercializaçao do álcool na sua forma líquida com graduaçao volumétrica superior a 54º Gay Lussac (54ºGL), referente à concentraçao em massa de 46,3º INPM. Permitia-se produçao e comercializaçao em graduaçao superior deste valor, desde que fosse sob apresentaçao coloidal desnaturada (gel com sabor e odor modificados para evitar ingestao e outros agravos ao organismo) em volume máximo de 500 mL.

Entretanto, em agosto do mesmo ano, uma liminar abria brechas para que as empresas filiadas à Associaçao Brasileira de Produtores de Alcool (ABRASPEA) comercializassem o álcool líquido a 96º GL4. Por fim, houve a publicaçao da Resoluçao nº 652, de 25 de fevereiro de 2013, suspendendo a fabricaçao, distribuiçao e comércio, em todo o território nacional, de todos os lotes de álcool líquido com graduaçao maior que de 54º GL (46,3° INPM)5.

Estima-se que US$ 1.000,00 por dia seja a despesa que um paciente queimado gera quando internado em uma unidade de tratamento de queimaduras (UTQ)5,6, informaçao condizente com os dados da Sociedade Brasileira de Queimados, que mostram que um paciente "grande queimado" representa despesa entre R$ 1.200,00 e R$ 1.500,00 por dia apenas durante sua internaçao7. Ainda, segundo o Ministério da Saúde, investe-se aproximadamente R$ 1 milhao por mês com internaçoes de pacientes graves8,9.

Mesmo representando prevalência ímpar de queimaduras, inclusive diante do cenário internacional, a literatura nao apresenta dados concisos de queimaduras por acidente com álcool líquido, seja por faixa etária, gênero, tempo de hospitalizaçao e desfecho, ou por qualquer característica descritiva das queimaduras, como grau e porte.

O presente estudo objetiva avaliar o perfil epidemiológico e a gravidade dos pacientes internados na Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Hospital de Urgências de Sergipe (HUSE), em Aracaju, SE, devido à queimadura por acidente com álcool líquido no período de janeiro de 2010 a junho de 2016.


MÉTODO

Trata-se de estudo retrospectivo, quantitativo e descritivo com análise secundária de dados coletados no sistema de registro do serviço de Cirurgia Plástica da Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do Hospital de Urgências de Sergipe (HUSE) referentes às vítimas de queimadura por acidente com álcool líquido admitidas durante o período de janeiro de 2010 a junho de 2016, totalizando análise de 157 registros, de um total de 1314 pacientes queimados atendidos neste período.

Foram analisados dados descritivos de pacientes queimados por álcool líquido quanto a sexo, idade (considerando jovens os menores que 18 anos, adultos entre 18 anos e 60 anos, e idosos aqueles maiores que 60 anos), gravidade, área(s) acometida(s), porte das queimaduras, tempo de internaçao e óbito. Registros com as informaçoes citadas suficientes por paciente foram incluídos nesta pesquisa. Utilizou-se como critério de exclusao a insuficiência de informaçoes úteis para o presente estudo, tais como a ausência de qualquer um destes itens: agente etiológico, idade, superfície corpórea acometida, grau da queimadura, tempo de internaçao e desfecho.

A pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Federal de Sergipe e autorizada sob registro nº 21829813000005546 e pelo Núcleo de Educaçao Permanente (NEP) do Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), bem como seguindo as normas da Resoluçao nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS).

Os dados foram analisados no programa Microsoft Excel 2013 com o uso de estatística descritiva, mostrando resultados em valores absolutos e relativos.


RESULTADOS

Foram analisados 1314 registros, dos quais 157 (12%) eram de queimaduras por acidente com álcool líquido. Avaliando a prevalência do público estudado por idade, observou-se que os adultos (acima de 18 anos e abaixo de 60 anos) representaram a maioria destes pacientes, com um total de 130 (82,8%), diferentemente dos jovens (abaixo de 18 anos) 25 (15,92%) e dos idosos (acima de 60 anos) três (1,91%). Na distinçao por sexo, observou-se que 95 (60,51%) eram pacientes do sexo masculino.

Todos os pacientes internados apresentaram queimaduras de 2º grau, dos quais 10 (6,37%) apresentaram queimaduras de 1º grau e 23 (14,65%) queimaduras de 3º grau associadas. Ainda, dentre os dados levantados, observou-se que as áreas mais acometidas foram face 76 (48,40%), membros superiores 61 (38,85%), tronco 52 (33,12%), membros inferiores 51 (32,48%), regiao cervical 50 (31,84%), tórax 40 (25,47%), abdome 28 (17,83%), dorso 12 (7,64%), regiao glútea sete (4,45%) e genitália cinco (3,18%).

Quanto ao porte da queimadura, a maioria de pacientes é representada pelos médios queimados, com um total de 89 (56,7%), à frente dos grandes queimados, com 57 (36,3%), e dos pequenos queimados, com 11 (7%).

A média de internaçao dos pacientes internados por queimadura por acidente com álcool líquido foi de 26,63 dias, contrastando com os 14,54 dias de média de todos os pacientes no período de janeiro de 2010 a junho de 2016. (Tabelas 1 e 2).






Em relaçao ao desfecho dos casos estudados, foram 50 óbitos registrados, sendo que os óbitos de pacientes internados por queimaduras por acidente com álcool líquido totalizaram número de 13, sendo 23% dos casos. Estes 13 óbitos representavam 8,3% de todo o espaço amostral estudado, contrastando com os 144 casos (91,7%) que apresentaram alta. (Tabelas 3 e 4).






Dentre os 13 óbitos, nove (69,2%) eram do sexo masculino, enquanto quatro (30,8%) eram do sexo feminino. Onze pacientes (84,6%) eram adultos e dois (15,38%) eram idosos. Quanto ao porte, 11 (84,6%) eram classificados como grandes queimados, contrastando com um (7,69%) médio queimado e um (7,69%) pequeno queimado. Ainda, todos apresentavam queimaduras de 2º grau; entretanto, cinco (38,46%), queimaduras de 3º grau associadas e apenas um (7,69%), queimadura de 1º grau associada. Nao houve registro de óbito de paciente que apresentou queimadura de 3º grau isoladamente.


DISCUSSAO

Os pacientes do sexo masculino representaram o gênero mais acometido por queimaduras por acidente com álcool líquido no serviço da UTQ do HUSE. Tal fato pode se relacionar ao potencial deste grupo de se expor a situaçoes de risco e apresentar menor cautela, mais comumente relacionado ao ambiente de trabalho10,11.

Os adultos, considerados neste estudo entre 18 e 60 anos de idade, representaram a faixa etária de maior destaque, contra os extremos em jovens, aqueles abaixo de 18 anos, e idosos, pacientes acima de 60 anos. Tais dados, independentemente do gênero, remetem aos riscos ocupacionais e de exposiçao cotidianas aos quais pacientes da faixa etária da maior prevalência encontrada se submetem10.

Face, membros superiores, tronco e membros inferiores representaram as áreas corpóreas mais atingidas, segundo os registros disponibilizados pelo serviço. Esses dados mostram que as áreas mais expostas e descobertas sao aquelas mais facilmente queimadas, propiciando disseminaçao do álcool pelas áreas atingidas e para outras áreas diante do acidente.

Demonstrou-se que os pacientes médios queimados, representando 89 (56,7%), foram a maioria quanto à avaliaçao do porte da queimadura, fazendo-se analisar a proposiçao de alguns autores que defendem que quanto maior é a área queimada, pior é o prognóstico10-12.

Segundo a Portaria nº 1.274, de 21 de novembro de 2000, os pacientes considerados pequenos queimados sao aqueles com queimaduras de 1º e 2º graus com até 10% da área corporal atingida. Já os médios queimados sao aqueles com queimaduras de 1º e 2º graus, com área corporal atingida entre 10% e 25%, ou queimaduras de 3º grau com até 10% da área corporal atingida, ou queimadura de mao e/ou pé. Por fim, os grandes queimados sao aqueles com queimaduras de 1º e 2º graus, com área corporal atingida maior do que 26%, ou queimaduras de 3º grau com mais de 10% da área corporal atingida, ou queimadura de períneo13.

Os pacientes internados na UTQ do HUSE por queimadura por acidente com álcool líquido permaneceram hospitalizados por período de tempo consideravelmente maior que a média do serviço, representando importantes despesas para o Sistema Unico de Saúde (SUS), muito embora sejam evitáveis. Ainda, as queimaduras acarretam cuidados e demais despesas com reabilitaçao, muitas vezes por conta dos próprios pacientes14.

Houve registro de 13 óbitos, número relativamente alto, considerando o total de óbitos durante o período de janeiro de 2010 a junho de 2016. Destes, 10 eram grandes queimados, mais uma vez podendo-se relacionar ao pior prognóstico diretamente relacionado à maior área queimada10-12.


CONCLUSAO

Observou-se a alta prevalência de pacientes adultos do sexo masculino dentre o grupo de indivíduos internados na UTQ do HUSE devido a queimadura por álcool líquido, sendo as queimaduras de 2º grau em face e membros superiores as mais prevalentes. O maior tempo de internaçao faz atentar quanto aos gastos no SUS por paciente queimado internado na UTQ. O número de óbitos é relativamente alto, considerando o intervalo de tempo estudado e número total de óbitos no mesmo período.

Faz-se necessário investigar as razoes pelas quais os pacientes internados devido a queimaduras por acidente com álcool líquido possuem tempo de internaçao consideravelmente maior que os pacientes internados por queimaduras de outras etiologias.

Assim, o estudo se mostra importante por elucidar uma das graves consequências do manuseio inadequado do álcool líquido, principalmente por adultos. Medidas de conscientizaçao e prevençao sao necessárias mesmo quando distante dos extremos de idade.


REFERENCIAS

1. Aldunate JLCB, Ferrari Neto O, Tartare A, Araujo CAL, Silva CC, Menezes MAJ, et al. Análise de 10 anos de casos de queimaduras por álcool com necessidade de internaçao em hospital quaternário. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):220-5.

2. Edelman LS. Social and economic factors associated with the risk of burn injury. Burns. 2007;33(8):958-65.

3. Pereima MJL, Mignoni ISP, Bernz LM, Schweitzer CM, Souza JA, Araújo EJ, et al. Análise da incidência e da gravidade de queimaduras por álcool em crianças no período de 2001 a 2006: impacto da Resoluçao 46. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(2):51-9.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resoluçao RDC Nº 46, de 20 de Fevereiro de 2002. Dispoe sobre Regulamento Técnico para álcool etílico hidratado, em todas as graduaçoes, e álcool etílico anidro comercializados por atacadistas e varejistas. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília; 2002.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resoluçao nº 652, de 25 de fevereiro de 2013.

6. Atiyeh BS, Costagliola M, Hayek SN. Burn prevention mechanisms and outcomes: pitfalls, failures and successes. Burns. 2009;35(2):181-93.

7. Macedo AC, Proto RS, Moreira SS, Gonella HA. Estudo epidemiológico dos pacientes internados na Unidade de Tratamento de Queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba entre 2001 a 2008. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(1):23-5.

8. Camuci MB, Martins JT, Cardeli AAM, Robazzi MLCC. Caracterizaçao epidemiológica de pacientes adultos internados em uma unidade de terapia intensiva de queimados. Cogitare Enferm. 2014;19(1):78-83.

9. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Supermercados só venderao álcool gel em seis meses. Brasília: Boletim Informativo Anvisa; 2002.

10. Freitas MS, Machado MM, Moraes RZC, Sousa AH, Aragao LHFB, Santos Júnior RA, et al. Características epidemiológicas dos pacientes com queimaduras de terceiro grau no Hospital de Urgências de Sergipe. Rev Bras Queimaduras. 2015;14(1):18-22.

11. Golshan A, Patel C, Hyder AA. A systematic review of the epidemiology of unintentional burn injuries in South Asia. J Public Health (Oxf). 2013;35(3):384-96.

12. Albornoz CR, Villegas J, Peña V, Whittle S. Sociodemographic/clinical characteristics and outcomes of patients admitted to the National Burn Center of Chile. Rev Med Chil. 2013;141(2):181-6.

13. Brasil. Ministério da Saúde/ Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.274, de 21 de Novembro de 2000. Dispoe sobre a criaçao de mecanismos para a organizaçao e implantaçao de Redes Estaduais de Assistência a Queimados. Brasília: Ministério da Saúde; 2000.

14. Guimaraes IBA, Martins ABT, Guimaraes SB. Qualidade de vida de pacientes com queimaduras internados em um hospital de referência no nordeste brasileiro. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(2):103-7.









Recebido em 24 de Outubro de 2016.
Aceito em 21 de Janeiro de 2017.

Local de realização do trabalho: Hospital de Urgências de Sergipe, Unidade de Tratamento de Queimados, Aracaju, SE, Brasil.

Conflito de interesses: Os autores declaram não haver.


© 2024 Todos os Direitos Reservados