861
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Perfil epidemiológico das crianças com queimaduras hospitalizadas em um Centro de Tratamento de Queimados

Epidemiological profile of children with burns admitted in a Burn Unit

Mari Hellen Gonçalves Francisconi1; Edna Yukimi Itakussu2; Paola Janeiro Valenciano3; Dirce Shizuko Fujisawa4; Celita Salmaso Trelha5

RESUMO

OBJETIVO: Caracterizar as crianças de 7 a 12 anos, vítimas de queimaduras, atendidas no Centro de Tratamento de Queimados de Londrina (CTQ/HU/UEL).
MÉTODOS: Estudo retrospectivo descritivo dos pacientes internados no CTQ/HU/UEL, no período entre janeiro de 2011 a janeiro de 2014, com idade entre 7e 12 anos. As variáveis investigadas foram: sexo, idade, tempo de internaçao, percentagem da superfície corporal queimada, agente causal, classificaçao da queimadura, procedimentos cirúrgicos e procedimentos fisioterapêuticos (respiratórios e motores) durante a internaçao hospitalar.
RESULTADOS: Foram analisados 49 prontuários; houve predomínio do sexo masculino e média de idade de 9,57 anos (desvio padrao-DP=1,6). O agente etiológico predominante foi o fogo/álcool: 49% (n=24), seguido da escaldadura: 29% (14); a regiao mais acometida foi tronco e abdome: 67% (n=33). O tempo de internaçao variou de um a 81 dias, com média de 16,47 dias (DP=17,27). Quatro (8,2%) crianças foram a óbito. Em relaçao aos procedimentos, verificou-se predomínio de desbridamentos e enxertos e todas as crianças receberam atendimento fisioterapêutico.
CONCLUSAO: As crianças vítimas de queimaduras foram, na maioria, do sexo masculino, sendo o agente etiológico predominante o fogo/álcool, atingindo principalmente o tronco e abdome. Os resultados revelam a necessidade de programas educativos e campanhas de prevençao.

Palavras-chave: Criança. Queimaduras. Unidades de Queimados. Epidemiologia. Fisioterapia.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To characterize children from 7 to 12 years, burn victims, treatedin the Burn Treatment Center of Londrina (CTQ/HU/UEL).
METHODS: Retrospective descriptive study of patients admitted to the CTQ/HU/UEL, in the period from January 2011 to January 2014, aged 7 to 12 years. The variables were: gender, age, length of stay, percentage of body surface burned, causal agent, burn classification, surgical procedures, and physical therapy procedures (respiratory and motor) during hospitalization.
RESULTS: We analyzed 49 medical records; there was a predominance of males with an average age of 9.57 years (standard deviation-SD=1.6). The predominant etiologic agent was fire/alcohol: 49% (n=24) followed by scalding: 29% (14) and the most affected region was the trunk and abdomen: 67% (n=33). The length of stay ranged from one to 81 days, with an average of 16.47 days (SD=17.27). Four (8.2%) children died. Regarding procedures, there was a predominance of debridement and grafting and all children received physical therapy.
CONCLUSION: Children burn victims were predominantly male, being the predominant etiologic agent fire / alcohol, affecting mainly the trunk and abdomen. The results reveal the need for educational programs and prevention campaigns.

Keywords: Child. Burns. Burn Units. Epidemiology. Physical Therapy Specialty.

INTRODUÇAO

Considerada um dos tipos de trauma mais graves e uma das principais causas de morte nao intencionais em crianças1, a queimadura provoca um comprometimento do corpo e suas funçoes, sendo fundamental a atençao multidisciplinar no tratamento desses pequenos pacientes2.

A análise da incidência desses acidentes em crianças e adolescentesainda é escassa3, mas é sabido que a alta frequência de acidentes envolvendo queimaduras nessa faixa etária de 9 aos 15 anos pode ser explicada pelo fato de serem alvos fáceis, atribuída a um misto de curiosidade e inabilidade, em que o desenvolvimento intelectual e cognitivo nao acompanha o nível de desenvolvimento motor4,5.

A epidemiologia constitui-se em forte instrumento para o desenvolvimento de políticas no setor da saúde, atendo-se à compreensao do processo saúde-doença no âmbito da populaçao e auxiliando no desenvolvimento de estratégias para a promoçao e proteçao da saúde coletiva6.

O exposto justifica a relevância deste estudo porque, ao conhecer o perfil epidemiológico das crianças queimadas e dos fatores de risco aos quais estao expostas, é possível fornecer subsídios aos profissionais que atuam na área e a futuras pesquisas, impactando diretamente na saúde desta populaçao.

Diante disso, o objetivo do estudo foi analisar o perfil das crianças de 7 a 12 anos, vítimas de queimaduras, atendidasno Centro de Tratamento de Queimados de Londrina (CTQ/HU/UEL).


MÉTODOS

Estudo retrospectivo descritivo realizado por meio da análise de prontuários de pacientes pediátricos internados no CTQ/HU/UEL, com idade entre 7 a 12 anos, de ambos os sexos e no período de janeiro de 2011 a janeiro de 2014.Foram excluídos deste estudo os prontuários dos pacientes convocados para cirurgias eletivas, que sofreram reinternaçoes ou que foram internados com outros diagnósticos, além de prontuários com informaçoes insuficientes.

Para a realizaçao deste trabalho, foi elaborado pelos autores um roteiro de coleta de dados, previamente testado. O roteiro foi composto por aspectos sociodemográficos, informaçoes sobre a queimadura (tempo de internaçao, percentagem da superfície corporal queimada, agente causal, classificaçao da queimadura), procedimentos realizados (escarotomia, curativo, desbridamento) e assistência fisioterapêutica (respiratória e motora) durante a internaçao. A coleta de dados foi realizada por um aluno do último ano da graduaçao do curso de Fisioterapia, treinado antes das coletas.

Os dados obtidos foram analisados por meio de estatística descritiva, utilizando-se o programa Microsoft Excel® 2010 e os resultados foram apresentados em média e desvio padrao (DP).

O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa envolvendo seres humanos da Universidade Estadual de Londrina (Parecer CEP/UEL 138/2013 CAAE 18861513.0.0000.5231).


RESULTADOS

No período de janeiro de 2011 a janeiro de 2014 foram internadas 187 crianças no CTQ/HU/UEL; 51 (27,3%) encontravam-se na faixa etária de 7 a 12 anos, porém apenas 49 prontuários foram incluídos no estudo, pois dois prontuários apresentavam-se com dados incompletos.

O sexo masculino apresentou maior prevalência: 69,4% (n=34), a média de idade foi de 9,57 anos (DP=1,6), sendo o fogo/álcool (49%, n=24) o principal agente causal, seguido de escaldadura (29%, n=14), como pode ser observado na Tabela 1.




Com relaçao à área do corpo queimada, observou-se acometimento principalmente de tronco e abdome em 67,35% (n=33), seguido de cabeça e pescoço, com 42,85% (n=21) crianças; em terceiro lugar membro inferior direito, seguido de membro superior direito, conforme mostrado na Tabela 2.




Quanto ao número de casos/ano, em 2011 ocorreram mais casos: 47% (n=23) quando comparado com os demais anos pesquisados. Os meses que apresentaram as maiores internaçoes foram dezembro e maio, com sete casos cada. Maiores detalhes podem ser observados na Tabela 3.




Em relaçao aos procedimentos cirúrgicos realizados, em 77,55% (n=38) foi feito desbridamento das queimaduras, enquanto que 65,30% (n=32) das crianças necessitaram de enxerto de pele; totalizando 67 desbridamentos e 32 enxertias. Em dois casos, houve ainda a necessidade de escarotomias.

Quanto ao tratamento fisioterapêutico, constatou-se que 100% dos internados realizaram fisioterapia motora e no decorrer do tempo de internaçao 30,61% (n=15) crianças necessitaram também da fisioterapia respiratória.

A média do tempo de internaçao foi de 16,47 dias (DP=17,27), variando de um a 81 dias. Na Figura 1pode ser observada essa distribuiçao. Do total de crianças internadas, 91,84% (n=45) tiveram alta hospitalar e 8,16% (n=4) foram a óbito.


Figura 1 - Distribuiçao dos dias de internaçao das crianças no Centro de Tratamento de Queimados de Londrina no período de janeiro de 2011 a fevereiro de 2014. Londrina, PR.



DISCUSSAO

As queimaduras continuam sendo o pior acidente que pode acontecer subitamente a uma pessoa sadia, marcando-a para o resto da vida, com sequelas físicas e/ou psicológicas. Esses agravos sao responsáveis por significante morbidade e elevada mortalidade no mundo todo, apesar dos avanços no seu tratamento.

As crianças lideram a maioria dos estudos epidemiológicos da literatura mundial4,7 e essa elevada frequência nesta faixa etária pode ser em grande parte atribuída a um misto de curiosidade e inabilidade, ainda diretamente dependentes de um cuidador, e o desenvolvimento intelectual e cognitivos destas crianças nao acompanha o nível de desenvolvimento motor. O maior grau de autonomia motora associado à falta de consciência das relaçoes de causa e efeito pode tornar mais fácil a ocorrência desses agravos8.

Neste estudo constatou-se predomínio do sexo masculino, como também observado em outros estudos nacionais9-11 e internacionais12,13 acerca dos acidentes infantis. Isso pode estar relacionado, provavelmente, às diferenças de comportamento de cada sexo e a fatores culturais, que determinam maior liberdade aos meninos e, em contrapartida, maior vigilância às meninas.

As diferentes atividades desenvolvidas também justificam os percentuais encontrados, estando os meninos mais expostos por realizarem atividades de maior risco4. Porém em países como Egito e India é descrita uma proporçao maior de queimaduras entre as meninas, principalmente adolescentes, possivelmente como resultado dos costumes locais de usar roupas soltas e compridas, e de se cozinhar em "fogoes" improvisados, ao nível do solo14,15.

Quanto ao agente causal, o fogo/álcool representou 49% dos casos, semelhante ao encontrado em outros estudos, nos quais o mesmo foi o principal agente causador de hospitalizaçao em todas as faixas etárias, exceto de zero a 4 anos, na qual houve predomínio dos escaldos16. O álcool, na sua forma líquida, é de uso tradicional na maioria dos lares brasileiros. Seus poderes bactericidas e solubilizantes e o baixo custo fazem do álcool "comum" um dos produtos mais procurados para limpeza em geral.

Além disso, é bastante utilizado para acender churrasqueiras, fogueiras, fogoes improvisados, fogareiros, entre outros16. Apesar da Resoluçao RDC nº 46 de 2002, publicada pela Anvisa17, restringir a comercializaçao de álcool em grandes concentraçoes para uso doméstico e regulamentar o uso na forma gel, verifica-se ainda sua constante utilizaçao.

O motivo alegado pelo governo federal foi oferecer ao consumidor maior segurança na manipulaçao do produto, com o propósito de reduzir o número de acidentes domésticos, principalmente queimaduras em crianças de até 12 anos.

Diferentemente de outros estudos4, nos quais a área mais acometida foi o tronco, seguido de membros superiores, na presente pesquisa foi constatado maior acometimento de tronco seguido de cabeça e pescoço. A concentraçao maior de queimadura em cabeça/pescoço/tronco/membros pode estar relacionada, provavelmente, com a posiçao da criança em relaçao à fonte das chamas4.

No presente estudo foi observado que um maior número de casos ocorreu no ano de 2011, principalmente nos meses de maio, janeiro, novembro e dezembro. Nao foi encontrada nenhuma data comemorativa no mês de maio que pudesse contribuir com o aumento de casos de ocorrência das queimaduras, diferentemente dos meses de dezembro e janeiro, período de férias escolares e das comemoraçoes e festividades de final de ano, aumentando, assim, a exposiçao das crianças18.

A queimadura é um trauma complexo que requer tratamento complexo e multidisciplinar19. Ela é responsável por um grande número de óbitos em todo o mundo, sendo passível de ser evitada por meio de campanhas preventivas efetivas e maior divulgaçao de informaçao à populaçao.

É essencial a intervençao precoce, ainda no ambiente hospitalar, para que se obtenham melhores resultados de recuperaçao e cicatrizaçao e minimizaçao de sequelas20. A Fisioterapia atua em todas as consequências da queimadura, nao apenas na parte motora, mas também na parte respiratória, tendo excelentes resultados para a recuperaçao do paciente queimado. É essencial a intervençao precoce, ainda no ambiente hospitalar, para que se obtenham os resultados esperados de recuperaçao e cicatrizaçao e minimizaçao das sequelas físicas e psicológicas desse indivíduo20.

A prevençao é a arma mais eficaz e importante para a diminuiçao dos acidentes por queimaduras, sendo de fundamental importância a orientaçao à populaçao por meio de campanhas educacionais, remetendo a uma responsabilidade do setor público e das equipes de saúde21.

O grande número de crianças envolvidas em acidentes por queimaduras só vem reforçar a necessidade de prevençao para este fato. O fato das queimaduras infantis acontecerem, em grande parte, no ambiente doméstico sugere a modificaçao do mesmo como forma efetiva de prevençao, além da supervisao direta da criança4. Além do número absoluto de vítimas, é importante destacar que as sequelas sao deixadas em vidas que simplesmente acabaram de começar7.

Ressalta-se a importância de pesquisas epidemiológicas na temática por poderem respaldar estratégias preventivas, em especial no período da infância. Esse grupo etário está exposto às maiores complicaçoes, com consequente elevaçao nas taxas de morbidade e mortalidade por causas evitáveis22.


CONCLUSAO

O presente estudo demonstrou um perfil compatível com as demais instituiçoes de tratamento de queimados já estudadas. Ocorreu predomínio do sexo masculino como vítima, com idade de aproximadamente 10 anos, sendo o agente etiológico predominante o álcool, seguido de casos de escaldo e tendo como principais áreas atingidas o tronco e oabdome.

Os resultados revelam a necessidade de açoes de sensibilizaçao e orientaçao aos pais e à populaçao em geral, por meio de programas educativos e campanhas de prevençao, a fim de coibir acidentes.

Estudos epidemiológicos sao ferramentas imprescindíveis no conhecimento de informaçoes necessárias para um bom tratamento, além de possibilitar a formulaçao de campanhas e estratégias educacionais em prol da prevençao destes acidentes, visando diminuir a incidência de casos de queimaduras.


REFERENCIAS

1. Antoon AY, Donavan MK. Queimaduras. In: Nelson WE, Behrman RE, Kliegman R, Jenson HB, eds. Tratado de Pediatria. 17ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005.

2. Carvalho SM, Kuhnen IA, Pereima MJL. Protocolo de padronizaçao do perfil infeccioso de crianças internadas na unidade de queimados. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(2):118-27.

3. Pereima M. Particularidades de Queimaduras em Crianças. In: Lima Junior EML, Novaes FN, Piccolo N, Serra MCVF. Tratado de Queimaduras no Paciente Agudo. 2a Ed. Sao Paulo: Atheneu; 2009. p. 509-19.

4. Martins CBG, Andrade SM. Queimaduras em crianças e adolescentes: análise da morbidade hospitalar e mortalidade. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):464-9.

5. Oliveira RA, Nigri EL. Sutura elástica no tratamento de escarotomias e fasciotomias de pacientes queimados. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(2):63-6.

6. Rouquayrol MZ, Goldbaum M. Epidemiologia, história natural e prevençao de doenças. In: Rouquayrol MZ, Almeida Filho N. Epidemiologia e saúde. 6ª ed. Rio de Janeiro: Medsi, 2006. p. 17-35.

7. Machado THS, Lobo JA, Pimentel PCM, Serra MCVF. Estudo epidemiológico das crianças queimadas de 0-15 anos atendidas no Hospital Geral do Andaraí no período de 1997 a 2007. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):3-8.

8. Peden M, Oyegbite K, Ozanne-Smith J, Hyder AA, Branche C, Rahman AKMF, et al., eds. World Report on Child Injury Prevention. Geneva: World Health Organization; 2008.

9. Barreto MGP, Bellaguarda EAL, Murlamaqui MPM, Bareto RP, Oliveira PRT, Lima Jr EM. Estudo epidemiológico de pacientes queimados em Fortaleza, Ceará: revisao de 1997 a 2001. Rev Pediatr. 2008;9(1):23-9.

10. Oliveira FPS, Ferreira EAP, Carmona SS. Crianças e adolescentes vítimas de queimaduras: caracterizaçao de situaçoes de risco ao desenvolvimento. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009;19(1):19-34.

11. Viana FP, Resende SM, Toledo MC, Silva RC. Aspectos epidemiológicos das crianças com queimaduras internadas no Pronto Socorro para Queimaduras de Goiânia - Goiás. Rev Eletrônica Enferm. 2009;11(4):779-84.

12. Vloemans AF, Dokter J, van Baar ME, Nijhuis I, Beerthuizen GI, Nieuwenhuis MK, et al. Epidemiology of children admitted to the Dutch burn centres. Changes in referral influence admittance rates in burn centres. Burns. 2011;37(7):1161-7.

13. Liu Y, Cen Y, Chen JJ, Xu XW, Liu XX. Characteristics of paediatric burns in Sichuan province: Epidemiology and prevention. Burns. 2012;38(1):26-31.

14. Ghosh A, Bharat R. Domestic burns prevention and first aid awareness in and around Jamshedpur, India: strategies and impact. Burns. 2000;26(7):605-8.

15. Hemeda M, Maher A, Mabrouk A. Epidemiology of burns admitted to Ain Shams University Burns Unit, Cairo, Egypt. Burns. 2003;29(4):353-8.

16. Arrunátegui GCC. Queimaduras com álcool em crianças: realidade brasileira e vulnerabilidades [Tese de Doutorado]. Sao Paulo: Universidade de Sao Paulo, Faculdade de Saúde Pública; 2011. 154 p.

17. Brasil. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resoluçao da Diretoria Colegiada - RDC nº 46, de 20 de fevereiro de 2002. Aprovar o Regulamento Técnico para o álcool etílico hidratado em todas as graduaçoes e álcool etílico anidro, comercializado por atacadistas e varejistas. Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária; 2002.

18. Pedro ICS, Rinaldi ML, Pan R, Gonçalves N, Rossi LA, Farina Júnior JA, et al. Perfil de hospitalizaçao para o tratamento agudo de crianças e adolescentes queimadas, 2005-2010. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(3):154-60.

19. Gragnani A, Ferreira LM. Pesquisa em queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(3):91-6.

20. Ferreira TCR, Silva LCF, Santos MIG. Abordagem fisioterapêutica em queimados: revisao sistemática. Rev Univ Vale do Rio Verde. 2014;12(2):821-30

21. Takejima ML, Netto RFB, Toebe BL, Andretta MA, Prestes MA, Takaki JL. Prevençao de queimaduras: avaliaçao de conhecimento sobre prevençao de queimaduras em usuários das unidades de saúde de Curitiba. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(3):85-8.

22. Moraes OS, Ferrari RAP, Sant'Anna FL, Raniero JTMW, Lima LS, Santos TFM, et al. Perfil das internaçoes de crianças em um centro de tratamento para queimados. Rev Eletrônica Enferm. 2014;16(3):598-603.


Trabalho de Conclusao de Curso de Fisioterapia









Recebido em 25 de Abril de 2016.
Aceito em 6 de Agosto de 2016.

Local de realização do trabalho: Centro de Tratamento de Queimados da Universidade Estadual de Londrina, PR, Brasil

Esse artigo não possui conflitos de interesse e fontes de financiamento.


© 2021 Todos os Direitos Reservados