2817
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Características clínicas e fatores associados aos óbitos de indivíduos queimados em um Centro de Referência de Ananindeua-PA

Clinical features a nd factors associated with mortality in burn victims in a Reference Center of Ananindeua-PA

Geciara dos Santos Barbosa1; Daniella Meneses Seawright Oliveira1; Luã Alves Araújo2; Saul Rassy Carneiro3; Larissa Salgado de Oliveira Rocha4

RESUMO

OBJETIVO: Descrever as características clínicas e causas de morte de indivíduos por queimaduras em um centro de referência de queimados de Ananindeua, PA.
MÉTODO: Estudo retrospectivo realizado por meio de análise de prontuários e coleta de variáveis referentes a indivíduos que foram a óbito no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, no período de 2010 a 2014.
RESULTADOS: Foram registrados 87 óbitos, sendo 70,11% do gênero masculino, com maior prevalência na faixa etária de 20 a 59 anos (54,02%). Constatou-se que aproximadamente 53% dos eventos ocorreram em cidades do interior do Estado do Pará, destacando-se os acidentes domiciliares (36,78%), tendo como agressor o agente térmico (86,20%), assim como a presença de lesoes de terceiro grau em 74,71% dos casos, evidenciando-se 50% da superfície corporal queimada (SCQ) em 71,26%. Quanto às causas do óbito, houve predomínio do choque séptico (58,62%) na faixa etária adulta. Quanto à relaçao entre as características clínicas com as faixas etárias, observou-se prevalência das lesoes de terceiro grau em crianças e adultos na faixa etária produtiva, com maior frequência de acidentes em cidades do interior associados ao ambiente doméstico e na regiao metropolitana de Belém associados ao ambiente extradomiciliar, respectivamente.
CONCLUSAO: O estudo realizado demonstrou maior prevalência do gênero masculino na idade adulta, destacando-se os acidentes domiciliares causados por agente térmico, estando a queimadura de terceiro grau como responsável por mais de 50% da SCQ, evidenciando-se óbitos por choque séptico com maior acometimento na faixa etária adulta.

Palavras-chave: Queimaduras. Epidemiologia. Causas de Morte.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To describe clinical characteristics and causes of deaths from burns in a Burned Reference Center Ananindeua, PA.
METHODS: Retrospective study through review of medical records and collection of variables related to individuals that died in the Burn Treatment Center of the Urgency and Emergency Metropolitan Hospital in the period of 2010-2014.
RESULTS: Eighy-seven deaths were recorded, and 70.11% were male, with a higher prevalence in the age group 20-59 years at 54.02%. It was found that approximately 53% of the events occurred in cities of the State of Pará, especially home accidents in 36.78% of the cases, with thermal injury in 86.20% and presence of third degree burn in 74.71% of cases, evidencing 50% body surface burned (BSBA) area in 71.26% of the burn victims. In terms of causes of death, there was a predominance of septic shock (58.62%) in the adult age group. Regarding the relationship between the clinical characteristics with age, there was prevalence of third degree injuries in children and adults in the productive age group, with higher frequency of accidents in inland cities associated with the domestic environment and, the metropolitan region of Belém associated extra domiciliary accident, respectively.
CONCLUSION: The study showed a higher prevalence of males in adulthood, especially the household accidents caused by heat agent, with the third-degree burn as responsible for over 50% of the BSBA, demonstrating deaths from septic shock with greater involvement in the adult age group.

Keywords: Burns. Epidemiology. Cause of Death.

INTRODUÇAO

As queimaduras estao entre as principais causas externas de morte, sendo responsáveis por aproximadamente 300 mil óbitos por ano em todo o mundo, ficando atrás apenas de causas violentas, como os acidentes de trânsito e homicídios1. No Brasil, em 2010, foram registradas 21.472 hospitalizaçoes e 313 casos fatais, sendo atribuídos à regiao Norte os menores índices de histórico de queimaduras; no entanto, o Estado do Pará obteve os piores indicadores2.

Queimadura é toda lesao traumática decorrente de calor excessivo que provoca destruiçao parcial ou total da pele e anexos, podendo atingir camadas mais profundas. A pele humana tolera temperaturas de até 44ºC sem prejuízo, entretanto, acima desse valor sao produzidos diferentes comprometimentos teciduais variando de acordo com o agente agressor e o tempo de contato3.

Esse agravo é classificado em funçao ao agente agressor, profundidade e extensao. Dentre os agentes agressores, encontramse os agentes térmicos, químicos, biológicos, elétricos e os radioativos4. Em relaçao à profundidade, pode ser graduada em primeiro, segundo ou terceiro grau, sendo a lesao de terceiro grau a de maior gravidade5. Já a extensao corporal leva em consideraçao a porcentagem de superfície corporal queimada (SCQ), e pode ser quantificada pela "Regra dos Nove ou pela Tabela de Lund & Browder6.

As queimaduras causam alteraçoes fisiopatológicas intensas, variadas, clinicamente importantes e com múltiplas repercussoes, que podem atingir grande parte dos órgaos e gerar sequelas físicas e emocionais. Alguns fatores sao considerados de risco para mortalidade de indivíduos queimados, como lesoes por inalaçao, grandes queimaduras e extremos de idade. Além disso, existe a possibilidade de complicaçoes como a sepse e a insuficiência respiratória, sendo a presença de ambas um fator duplicador da mortalidade entre esses indivíduos7.

Assim, mesmo o indivíduo recebendo o suporte necessário para manter a estabilidade do quadro clínico há potencial risco de agravamento do quadro, resultando em óbito, sendo possível a pesquisa dos fatores de risco envolvidos na mortalidade desses indivíduos, oferecendo subsídios para o planejamento de estratégias de controle e prevençao desse agravo, visando à reduçao da demanda hospitalar e prevençao dos índices de morbimortalidade, além de açoes que conduzam à melhoria do manejo e à reduçao da permanência hospitalar8.

Portanto, considerando o escasso conhecimento em todo território nacional e na América Latina sobre as causas de morte em indivíduos queimados e a gravidade de uma lesao traumática por queimadura, o estudo propôs descrever as características clínicas e causas de morte de indivíduos que morreram por queimaduras em um centro de referência de queimados de Ananindeua, PA.


MÉTODO

Este estudo é de caráter retrospectivo, descritivo e transversal realizado no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) em Ananindeua, PA, após aprovaçao do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Estado do Pará, sob número 39407714.0.0000.5174, e assinatura do Termo de Consentimento de Utilizaçao de Dados (TCUD).

Foram coletadas informaçoes no Serviço de Arquivo Médico e Estatístico (SAME) do HMUE no período de 1 de janeiro de 2010 a 31 de dezembro de 2014, referentes aos prontuários médicos de indivíduos queimados que foram a óbito, na qual a causa de morte foi verificada pelos pesquisadores por meio de análise e interpretaçao dos prontuários, entretanto, nos prontuários nao constavam dados de comorbidades destes indivíduos.

Para obtençao dos dados referente aos indivíduos queimados com histórico de óbito no centro de tratamento, foram selecionados os prontuários desses indivíduos, totalizando 87 prontuários, os quais foram analisados seguindo uma ficha de avaliaçao com variáveis epidemiológicas: idade, gênero, procedência; relacionada ao trauma e clínicas: ambiente do acidente; agente agressor, causas do óbito, profundidade e extensao da lesao, sendo a última calculada pela Regra dos nove, um método que divide a superfície do corpo adulto em segmentos que equivalem a 9% e múltiplos de 9, em que a soma das porcentagens representa a magnitude da lesao.

Os dados após tabulaçao foram analisados pelo software Epi InfoTM 7.1.5., sendo apresentados em tabelas de frequências com porcentagens e intervalo de confiança de 95%, utilizando-se o Teste Qui-Quadrado para análises das variáveis e estabelecido nível α de significância de 5% para rejeitar a hipótese nula.


RESULTADOS

No período de 2010 a 2014 foram registrados 87 óbitos por queimaduras no Centro de Tratamento de Queimados do HMUE, sendo que o ano de 2013 apresentou maiores índices do número de óbitos, totalizando 28,74% (Tabela 1), entretanto, para todos os períodos, o gênero masculino evidenciou-se em 70,11% das vítimas.




Para avaliaçao da idade, a mesma foi estratificada em faixas etárias, considerando-se de 0 a 12 anos crianças; de 13 a 19 anos adolescentes; de 20 a 59 anos adultos; e 60 anos ou mais a populaçao idosa. Verificou-se que a idade mínima foi de dois meses e a máxima de 91 anos, porém a média foi de 35,22±24,44 anos, com prevalência de 54,02% de óbitos na faixa etária adulta.

Quanto à procedência, houve estratificaçao em Regiao Metropolitana de Belém, composta pelos municípios de Ananindeua, Belém, Marituba, Benevides, Santa Isabel do Pará, Santa Bárbara do Pará e Castanhal; e interior do Estado do Pará, composto pelas demais cidades que fazem parte do estado. Constatou-se maior frequência dos eventos em cidades do interior do Estado do Pará, com 52,87%, seguido de 47,13% de casos na Regiao Metropolitana de Belém; entretanto, ambos com histórico de acidentes domiciliares em 36,78%, nao havendo especificaçao do ambiente em que ocorreu o acidente em 27,58% dos prontuários.

No que se refere ao agente agressor, houve divisao em dois grupos, sendo o primeiro grupo composto por agentes térmicos, incluindo os acidentes com líquido inflamável, líquido escaldante, explosao e chama direta; e o segundo grupo composto pelos demais acidentes, incluindo os agentes químicos e elétricos; contudo, verificou-se predomínio do agente térmico, com 86,20% dos casos.

Em relaçao à profundidade, observou-se maior frequência de lesoes de terceiro grau, com 74,71% dos casos, ao passo que a extensao da lesao mostrou 71,26% dos indivíduos com mais de 50% da SCQ. As causas dos óbitos abrangiam um percentual de 58,62% de evoluçao do indivíduo para choque séptico, seguido pela insuficiência respiratória em 18,39% dos indivíduos, ambas causas com maior acometimento na faixa etária adulta (Tabela 2).




A Tabela 3 relaciona características clínicas associadas aos óbitos por queimaduras com as faixas etárias. Foi verificada diferença significativa entre as características: profundidade, procedência e ambiente do acidente em relaçao às faixas etárias. De acordo com a profundidade da lesao, observou-se maior número de óbitos na profundidade de terceiro grau, acometendo principalmente crianças e adultos na faixa etária produtiva, enquanto em idosos houve maior frequência de lesoes de segundo grau.




Em relaçao à procedência, constatou-se maior frequência de acidentes que causaram óbito em cidades do interior do Pará para as crianças e da regiao metropolitana de Belém para os adultos e idosos, sendo que na faixa etária correspondente às crianças e idosos houve maior número de acidentes em ambiente doméstico, enquanto na faixa etária adulta o ambiente extradomiciliar prevaleceu.

Entretanto, na correlaçao com as demais características clínicas dos indivíduos que foram a óbito nao houve diferença significativa em relaçao às faixas etárias.


DISCUSSAO

A queimadura, devido a sua alta incidência, representa um importante problema de saúde pública no mundo e, dependendo de sua gravidade, gera altas taxas de morbimortalidade9. Tais evidências relatadas nos estudos estao de acordo com os dados obtidos com a pesquisa em relaçao ao elevado número de óbitos e incidência na regiao metropolitana e interior.

Nesse estudo foi identificada a predominância do gênero masculino, em concordância com outro estudo10 realizado na Unidade de Terapia de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao, situado em Florianópolis, SC, no qual foi realizada análise de prontuários de crianças vítimas de queimadura parcial internadas na unidade. O predomínio do gênero masculino pode estar relacionado às diferenças de comportamento, tornando estes mais expostos a situaçoes de risco como atividades envolvendo altas tensoes, correntes elétricas, equipamentos e máquinas10.

Tais dados obtidos neste estudo se correlacionam com a faixa etária acometida, destacando-se a adulta, devido ao alto índice de indivíduos economicamente ativos e sua maior exposiçao a situaçoes de risco em ambiente de trabalho. Os achados em análise de prontuários do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Geral Professor Osvaldo Brandao Vileta, situado em Maceió, AL,11, tal como estudo realizado por Freitas et al.12, utilizando dados de vítimas de queimadura de terceiro grau admitidas no serviço de cirurgia plástica de uma Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital de Urgência de Sergipe, também corroboram com os dados referente a faixa etária do presente estudo.

Conforme a pesquisa, o domicílio aparece com concentraçao da ocorrência dos casos, corroborando com análise realizada por Silva et al.13 em crianças de 0 a 12 anos atendidas em um pronto socorro para queimaduras de Goiânia em 2011 e 2012. O ambiente doméstico é um expositor de riscos, devido à presença de botijoes de gás, utilizaçao de fogo e líquidos aquecidos para preparo de alimentos e produtos químicos de limpeza, reforçando a necessidade de programas de prevençao e educaçao da populaçao relacionados a esse tipo de acidente13.

O tipo de queimadura mais frequente na populaçao estudada foi a térmica, corroborando com resultados de outro estudo14, no qual foi realizada análise de perfil epidemiológico de indivíduos atendidos pela Fisioterapia na Unidade de Tratamento de Queimaduras do Hospital de Urgência de Sergipe, assim como em pesquisa realizada por Tavares & Hora15, na qual foram caracterizadas vítimas de queimaduras atendidas em ambulatório de cirurgia plástica de Aracaju, SE, mostrando-se concordante com a presente pesquisa, evidenciando o predomínio de lesoes por agente térmico.

Os resultados deste estudo divergem dos achados de Biscegli et al.1, ao analisar o perfil de crianças e adolescentes internados em uma Unidade de Tratamento de Queimados no interior de Sao Paulo, no qual foi identificado maior número de vítimas com queimaduras de primeiro e segundo graus, assim como resultados encontrados por outros autores11,16 acerca de aspectos clínicos e epidemiológicos de pacientes queimados internados em Hospital de Clínicas do Triangulo Mineiro, os quais também divergem da presente pesquisa, sendo verificadas as lesoes de segundo grau como profundidade mais frequente.

Os achados desta pesquisa corroboram com estudo realizado por Freitas et al.12, no qual foi observada predominância de lesoes de terceiro grau em indivíduos adultos atendidos em hospital de Sergipe. As lesoes de terceiro grau necessitam de assistência médica especializada e internaçao hospitalar, devido predisposiçao à infecçao e complicaçoes que levam ao óbito12.

Em análise das causas de morte em uma Unidade de Queimados do Hospital Infantil Joana de Gusmao de janeiro de 1991 a dezembro de 20127, os autores observaram que a maioria das crianças que foram a óbito apresentavam mais de 60% da SCQ, em concordância com o presente estudo.

Em estudo indiano17, na qual foi realizado perfil epidemiológico de pacientes queimados internados em um Hospital de Karnataka, verificou-se prevalência abaixo de 20% SCQ em homens e entre 21 a 40% SCQ em mulheres, o que discorda dos achados do presente estudo, em que a estimativa de comprometimento da superfície corporal foi acima de 50%.

A prevalência das complicaçoes sépticas como a principal causa de óbitos entre os queimados também foi observada nos achados da pesquisa clínica epidemiológica de vítimas de queimaduras elétricas nos últimos 10 anos em um hospital de Sao Paulo18. Em estudo de Medeiros et al.7 a maior parte dos óbitos também foram causados por choque séptico. Já em outra pesquisa19, o choque foi a terceira causa de complicaçoes decorrentes das queimaduras em indivíduos admitidos em hospital de Porto Alegre, no período de 2011 a 2012.

Quanto à relaçao entre as características clínicas associadas aos óbitos por queimaduras com as faixas etárias, observou-se maior número de óbitos em queimaduras de terceiro grau, acometendo principalmente crianças e adultos na faixa etária produtiva. Quanto à faixa etária de 0 a 12 anos, os achados se justificam em decorrência do desenvolvimento neuropsicomotor normal, pois a criança inicia a marcha e procura experimentar o mundo com mais liberdade, no entanto, nao possui o desenvolvimento motor e/ou intelectual suficientes para evitar o perigo, sendo frequentes os acidentes domésticos decorrentes de escaldadura por óleo e água, o que exige maior atençao dos pais20.

Os achados referentes a faixa etária de 20 a 59 anos se justificam pela característica dessa faixa etária que se encontra em época de grande produtividade, evidenciando maior risco de queimaduras em situaçoes extradomiciliares. Quanto aos achados para os indivíduos a partir de 60 anos, se justificariam pelo início do período de aposentadoria, a associaçao de doenças, medicaçao e possível déficit na capacidade cognitiva, fazendo dessas vítimas mais suscetíveis a situaçoes de risco em ambiente domiciliar e a lesoes de menor gravidade21.

Em relaçao à procedência, o local da amostragem é um centro especializado e de referência estadual no atendimento a vítimas de queimaduras, o que justificaria a demanda de indivíduos de outros municípios do estado e da regiao metropolitana.


CONCLUSAO

O estudo realizado demonstrou, segundo as variáveis epidemiológicas, maior prevalência no gênero masculino em fase adulta com maior frequência dos eventos em cidades do interior do Estado do Pará. Já em relaçao às variáveis relacionadas ao trauma e clínicas, observou-se prevalência de acidentes domiciliares com maior frequência por comprometimento térmico em crianças, estando a queimadura de terceiro grau como responsável por mais de 50% da SCQ, evidenciando-se óbitos por choque séptico com maior acometimento na faixa etária adulta.


REFERENCIAS

1. Biscegli TS, Benati LD, Faria RS, Boeira TR, Cid FB, Gonsaga RAT. Perfil de crianças e adolescentes internados em Unidade de Tratamento de Queimados do interior do Estado de Sao Paulo. Rev Paul Pediatr. 2014;32(3):177-82.

2. Santos EA, Braga DD, Fuculo Júnior PRB, Oliveira TD, Bazzan JS, Echevarría-Guanilo ME. Ocupaçoes com maior risco para acidente com queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(4):260-4.

3. Lyrio TM, Trindade MAA, Kornalewski RZ, Antônio NN, Mazzarone F, Pitanguy I. Evoluçao dos tratamentos/curativos em pacientes queimados. Rev Bras Cir Plást. 2011;26(3 Supl 1):15.

4. Batista LTO, Rodrigues FA, Vasconcelos JMB. Características clínicas e diagnóstico de enfermagem em crianças vítimas de queimadura. Rev Rene. 2011;12(1):158-65.

5. Sales MSC, Nunes RD. Abordagem fisioterapêutica em queimados: um estudo de revisao no âmbito da terapia intensiva. Rev Amazônia Sci Health. 2015;3(2):30-5.

6. Correa RC. Incidência de pacientes queimados atendidos no Hospital de Emergência na cidade de Macapá-AP, durante o ano de 2014. Estaçao Cient (UNIFAP). 2016;6(1):53-61.

7. Medeiros ACS, Albuquerque BCH, Mignoni ISP, Pereima MJL, Baungratz MM, Feijó RS. Análise das causas de morte em uma unidade de queimados do Hospital Infantil Joana Gusmao (HIJG), de janeiro de 1991 a dezembro de 2012. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(3):153-8.

8. Melo MCB. Urgência e Emergência na Atençao Primária à Saúde. Belo Horizonte: Nescon/UFMG; 2011.

9. Aldunate JLCB, Ferrari Neto O, Tartare A, Araujo CAL, Silva CC, Menezes MAJ, et al. Análise de 10 anos de casos de queimaduras por álcool com necessidade de internaçao em hospital quaternário. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):220-5.

10. Moser HH, Pereima MJL, Soares FF, Feijó R. Uso de curativos impregnados com prata no tratamento de crianças queimadas internadas no Hospital Infantil Joana de Gusmao. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(3):147-53.

11. Luz SSA, Rodrigues JE. Perfis epidemiológicos e clínicos dos pacientes atendidos no centro de tratamento de queimados em Alagoas. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(4):245-50.

12. Freitas MS, Machado MM, Moraes RZC, Sousa AH, Aragao LHFB, Santos Júnior RA, et al. Características epidemiológicas dos pacientes com queimaduras de terceiro grau no Hospital de Urgências de Sergipe. Rev Bras Queimaduras. 2015;14(1):18-22.

13. Silva IKM, Leandro JM, Amaral LEF, Silva ACA, Marçal MLP, Fantinati AMM, et al. Análise de pacientes de 0 a 12 anos atendidos no Pronto Socorro para queimaduras de Goiânia em 2011 e 2012. Rev Bras Queimaduras. 2015;14(1):14-7.

14. Nascimento LKA, Barreto JM, Costa ACSM. Unidade de Tratamento de Queimados: perfil epidemiológico dos pacientes admitidos na Fisioterapia. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(3):177-81.

15. Tavares CS, Hora EC. Caracterizaçao das vítimas de queimaduras em seguimento ambulatorial. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(4):119-23.

16. Montes SF, Barbosa MH, de Sousa Neto AL. Clinical and epidemiological aspects of burned patients hospitalized in a teaching hospital. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(2):369-73.

17. Shankar G, Naik VA, Powar R. Epidemiological study of burn patients admitted in a District Hospital of North Karnataka, India. Indian J Burns. 2014;22(1):83-7.

18. Carvalho CM, Faria GEL, Milcheski DA, Gomez DS, Ferreira MC. Estudo clínico epidemiológico de vítimas de queimaduras elétricas nos últimos 10 anos. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):230-3.

19. Marques MD, Amaral V, Marcadenti A. Perfil epidemiológico dos pacientes grandes queimados admitidos em um hospital de trauma. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(4):232-5.

20. Millan LS, Gemperli R, Tovo FM, Mendaçolli TJ, Gomez DS, Ferreira MC. Estudo epidemiológico de queimaduras em crianças atendidas em hospital terciário na cidade de Sao Paulo. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(4):611-5.

21. Lima DF, Lima LNS, Carvalho MM, Carvalho LRB, Maia NMFS, Landim CAP. Perfil dos pacientes internados em uma unidade de tratamento de queimados. Rev Enferm UFPE on line. 2016;10(Supl. 3):1423-31.









Recebido em 22 de Julho de 2016.
Aceito em 3 de Outubro de 2016.

Local de realização do trabalho: Estudo realizado no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), Ananindeua, PA, Brasil.

Conflito de interesses: Os autores declaram não haver


© 2021 Todos os Direitos Reservados