509
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Queimaduras no Triângulo Mineiro (Brasil): estudo epidemiológico de uma unidade de queimados

Burns in Triângulo Mineiro (Brazil): epidemiological study of a burn unit

Maria José Ferreira Zaruz1; Fernando Max Lima1; Elizabeth de Fátima Daibert2; Adriano de Oliveira Andrade1

RESUMO

OBJETIVO: Caracterizar a unidade e os pacientes atendidos em uma Unidade de Queimados, entre janeiro de 2006 e dezembro de 2013.
MÉTODO: Realizou-se estudo epidemiológico descritivo, observacional, retrospectivo com abordagem quantitativa dos pacientes e da Unidade de Queimados, a partir de dados do serviço de estatística do hospital.
RESULTADOS: Em geral, o perfil dos pacientes atendidos nos últimos oito anos é de adultos em idade laboral e crianças menores de 10 anos, sexo masculino, vítimas de acidentes com líquidos inflamáveis ou aquecidos, apresentando queimaduras de 2° grau em cerca de 10 a 19% do corpo, sobretudo no tronco. O maior número de admissoes (81) ocorreu em 2010, sendo que a maior taxa de ocupaçao (67,2%) da unidade se deu em 2007 e a menor (33,14%) em 2008, mesmo ano no qual foi observada a maior taxa de mortalidade (7,2%). Em contrapartida, a menor taxa de mortalidade foi observada em 2006 (1,6%). Cerca de 40% das internaçoes tiveram duraçao inferior a dez dias. Dos 517 procedimentos cirúrgicos realizados dentro da unidade, 20% foram enxertos dérmico-epidérmicos.
CONCLUSAO: Houve pouca mudança no perfil epidemiológico dos atendimentos realizados nesta unidade em comparaçao com a década anterior. Entretanto, adequaçoes físicas e metodológicas devem incluir estratégias focadas na criança e na perspectiva laboral de adultos.

Palavras-chave: Queimaduras. Epidemiologia Descritiva. Unidades de Queimados.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To characterize the Burn Unit and its inpatients between January 2006 and December 2013.
METHODS: A descriptive, observational, retrospective epidemiological study with quantitative approach of the Burn Unit and its inpatients was performed with data from the hospital statistical service.
RESULTS: In general, the profile of the Burn Unit inpatients seen in the past eight years are adults in working age and children under 10 years old, victims of accidents with flammable and heated liquids, presenting second degree burns in about 10 to 19% of body surface area, especially on the trunk. The highest number of new admissions (81) occurred in 2010, with the highest occupancy rate in 2007 (67.2%) and lowest in 2008 (33.14%), the same year in which the highest mortality rate (7.2%) was observed. In contrast, the lowest mortality rate was observed in 2006 (1.6%). About 40% of the total admissions lasted less than ten days. From the 517 surgical procedures carried out inside the unit, 20% were dermal-epidermal grafts.
CONCLUSION: There were little changes on the epidemiological profile of the delivered treatments in this unit when compared to the previous decade. However, physical and methodological adjustments should focus on child and on adults' occupational perspective.

Keywords: Burns. Epidemiology, Descriptive. Burn Units.

INTRODUÇAO

As queimaduras estao entre as principais causas externas de morte registradas no Brasil, superadas apenas por outras causas violentas, como acidentes de trânsito e homicídios1-6. A queimadura é considerada uma das agressoes mais devastadoras ao ser humano em virtude da alta incidência e, principalmente, de sua capacidade de produzir sequelas funcionais, estéticas e psicológicas, além de elevadas taxas de mortalidade e morbidade1,7-9.

Mundialmente, a maioria das queimaduras é causada por energia térmica, incluindo escaldamento e fogo, enquanto que queimaduras causadas por exposiçao a agentes químicos, eletricidade, radiaçao ultravioleta e radiaçao ionizante sao notificadas com menor frequência. Acidentes envolvendo chama direta sao responsáveis por cerca de 265.000 mortes anualmente, sendo que mais de 90% delas ocorrem em países em desenvolvimento ou em países mais pobres10,11.

Segundo estimativas da Organizaçao Mundial da Saúde (OMS) para o ano 2000, as queimaduras foram responsáveis por cerca de 238 mil mortes no mundo, vitimando principalmente crianças menores de 5 anos e idosos10-13. No Brasil, causas externas, tais como afogamentos e queimaduras, destacam-se como a primeira causa de morte entre crianças12,13.

Apenas dois estudos epidemiológicos realizados no município de Uberlândia, MG, foram encontrados, sendo um referente aos atendimentos hospitalares realizados entre abril de 2000 e março de 200114 e outro enfocando os atendimentos realizados nas Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) nos anos de 2000 a 200515.

Para obter um panorama atual do perfil epidemiológico da Unidade de Queimados do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HC-UFU), foram coletados dados de internaçao, com o objetivo de caracterizar a unidade e os pacientes atendidos nesse serviço entre janeiro de 2006 e dezembro de 2013, para melhorar a qualidade do atendimento aos pacientes queimados, atualizar e discutir a evoluçao do quadro na regiao de Uberlândia.


MÉTODO

Realizou-se estudo epidemiológico descritivo, observacional, retrospectivo com abordagem quantitativa dos pacientes da Unidade de Queimados (UQ) do HC-UFU, por meio da análise de dados do serviço de Estatística do HC-UFU dos pacientes atendidos na unidade entre janeiro de 2006 e dezembro de 2013. Este estudo foi realizado na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com aprovaçao do Comitê de Ética (CAAE: 32291313.4.0000.5152).

Os seguintes dados foram utilizados para caracterizar os pacientes da unidade: sexo; idade; agente etiológico (líquidos aquecidos, inflamáveis, chama direta, corrente elétrica, sólidos aquecidos, químicos, fumaça); localizaçao (cabeça e pescoço, tronco, membros superiores, maos, membros inferiores, tornozelo e pé); extensao (proporçao da superfície corpórea acometida); profundidade (1° grau, 2° grau, ou 3° grau) e intencionalidade (acidental, autoextermínio, agressao).

Dados referentes à taxa de ocupaçao, taxa de mortalidade, procedimentos cirúrgicos realizados (amputaçao, desbridamento, enxertia, outros) e período médio de internaçao foram coletados para qualificar a própria unidade.

No setor de estatística, os dados sao inseridos no sistema segundo a Classificaçao Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-10). Foi utilizado o programa Crystal Reports XI (SAP® AG / Walldorf - Alemanha) para extraçao dos dados solicitados. Em seguida, realizou-se análise descritiva com valores absolutos, médias, percentuais e distribuiçao de frequências, para apresentaçao dos resultados.


RESULTADOS

Unidade de Queimados - UQ


Entre os anos de 2006 e 2013, foram atendidos 463 pacientes (média de 57,8 internaçoes/ano). O maior número de ocorrências foi registrado em 2010, com 81 (17,4%) internaçoes, e o menor em 2013, com 33 (7,1%) internaçoes. A taxa de ocupaçao anual da unidade neste período foi de 53,3%, sendo maior em 2007 (67,2%) e menor em 2008 (33,1%). Já a taxa de mortalidade para o mesmo período foi de (3,7%), sendo maior em 2008 (7,2%) e menor em 2006 (1,6%), conforme apresentado na Figura 1.


Figura 1 - Distribuiçao anual da quantidade de pacientes admitidos na Unidade de Queimados do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia, bem como das taxas de ocupaçao e de mortalidade entre os anos de 2006 e 2013, Uberlândia, MG.



Períodos de internaçao inferiores a 10 dias foram mais frequentes, representando 39,8% de 2006 e 2013, variando entre sete casos em 2013 e 38 em 2010, e períodos superiores a 90 dias representam 4,6% do total de internaçoes no mesmo período.

Nesses oito anos, foram realizados 517 procedimentos cirúrgicos em decorrência das queimaduras e suas complicaçoes, sendo o ano de 2012 com o maior percentual de procedimentos realizados (21,3%) e o ano e 2013 com o menor (5,8%). Enxertos dérmicoepidérmicos foram os procedimentos mais comuns (19,7%).

Pacientes

Dos 463 pacientes internados neste período, a maioria era do sexo masculino (1,9 homens para cada mulher), sendo esta diferença maior nos anos de 2006 e 2012, e menor em 2009 (2,4 e 1,2, respectivamente).

Em análise por décadas de vida, crianças até 9 anos de idade foram as mais acometidas (22,6%), especialmente em 2008, com 19 internaçoes. Idosos acima de 60 anos representaram 8,8%. Adultos entre 20 e 59 anos representaram no total 58,6% das internaçoes.

Conforme a Tabela 1, queimaduras e corrosoes envolvendo áreas entre 10 e 19% da superfície corporal foram as mais recorrentes (36,8%), sendo mais incidente em todos os anos, com exceçao de 2008, no qual houve uma predominância de lesoes inferiores a 10% da superfície corporal (49,2%).




Já quanto à profundidade das lesoes, queimaduras e corrosoes de 2º grau foram as mais recorrentes em todos os anos (45,4%), com exceçao de 2010, no qual queimaduras de 3º grau representaram 35,5% das ocorrências, conforme mostrado na Figura 2.


Figura 2 - Percentual de queimaduras atendidas na Unidade de Queimados do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia entre os anos de 2006 e 2013 distribuídas segundo a profundidade das lesoes, Uberlândia, MG.



Segundo a localizaçao, as queimaduras foram mais incidentes na regiao do tronco (26,8%), sendo a mais recorrente em todos os anos com exceçao de 2008, no qual houve maior incidência de lesoes em maos (19,3%).

A Figura 3 mostra a distribuiçao das queimaduras segundo o agente causador da lesao. Foram encontradas 27 classificaçoes para o agente etiológico das queimaduras ocorridas entre 2006 e 2013. Para melhor compreensao, elas foram agrupadas em sete categorias: chama direta, corrente elétrica, fumaça, inflamáveis, líquidos aquecidos, sólidos aquecidos, e nao especificado.


Figura 3 - Percentuais de queimaduras atendidas anualmente entre 2006 a 2013 na Unidade de Queimados da Universidade Federal de Uberlândia, distribuídas segundo o agente etiológico, Uberlândia-MG.



Em geral, líquidos inflamáveis foram as principais causas de queimaduras neste período, seguidos por líquidos aquecidos. Em 2006, 2008 e 2010, verificou-se uma inversao na posiçao desses agentes, com predomínio de lesoes causadas por líquidos aquecidos, seguida por líquidos inflamáveis, porém sem alteraçao na representatividade desses dois agentes em comparaçao aos demais.

Quanto à intencionalidade das lesoes, causas acidentais foram as mais frequentes (81,6%), seguidas por causas intencionais como autoextermínio (tentativa de suicídio) (11,1%) e, por último, agressoes (7,2%), como demonstra a Figura 4.


Figura 4 - Percentual das queimaduras atendidas anualmente entre 2006 e 2013 na Unidade de Queimados da Universidade Federal de Uberlândia, distribuídas segundo a intencionalidade, Uberlândia, MG.



DISCUSSAO

O presente estudo buscou avaliar o perfil epidemiológico e a dinâmica de funcionamento da UQ do HC-UFU, e entender a ocorrência de queimaduras, bem como a disponibilidade do serviço de saúde, e assim apontar fatores de risco e estratégias que corroborem para a formaçao de políticas de educaçao e prevençao, focadas nas escolas, empresas e comunidade em geral, no intuito de diminuir os acidentes e melhorar a qualidade do atendimento.

Considerando os atendimentos realizados na UQ, observou-se que a média anual de pacientes atendidos entre 2006 e 2013 é cerca de 20% do total de atendimentos realizados no hospital comparados ao período de 2000 e 200114. Especificamente sobre o período estudado, observou-se um aumento na quantidade de atendimentos entre os anos de 2006 a 2010, ano no qual foi observado o maior número de atendimentos (81), e uma diminuiçao nos anos seguintes, sendo que 2013 apresentou a menor quantidade de novas internaçoes (29).

Tais internaçoes refletiram em uma taxa de ocupaçao média de 53,3%, sendo maior nos anos de 2006 e 2007 (65,9% e 67,1%, respectivamente), o que significa que embora o ano de 2010 tenha apresentado maior número de casos, pacientes internados entre 2006 e 2007 permaneceram internados por mais tempo. Dentre os atendimentos realizados, períodos de internaçao inferiores a 10 dias foram os mais recorrentes: (39,9%) dos casos.

A taxa de mortalidade dentro da unidade foi maior em 2008 (7,2%) e menor no ano de 2006 (1,6%). Tal fato pode ter se dado pela maior complexidade nos casos acontecidos em 2008 ou pela maior ocorrência de complicaçoes durante o período de tratamento, porém nao há qualquer informaçao capaz de subsidiar tais inferências.

Em relaçao à realizaçao de procedimentos cirúrgicos dentro da unidade, observou-se a realizaçao de uma média de 86 procedimentos a cada ano (média de 1,49 procedimentos por paciente), sendo em sua maioria enxertos dérmico-epidérmicos, seguidos de curativos sob anestesia e desbridamentos de tecidos desvitalizados, curativos sob anestesias fasceíte necrosante e tecidos desvitalizados.

Para esses procedimentos, é necessário que o paciente esteja estabilizado hemodinamicamente e que haja disponibilidade de sala cirúrgica, no centro cirúrgico geral, visto que a unidade nao dispoe do mesmo, o que muitas vezes contribui para aumentar a permanência do paciente na unidade.

Estudos anteriores14 corroboram que crianças e adolescentes abaixo de 16 anos (29,8%) representavam a maior parcela da populaçao atendida neste mesmo hospital entre 2000 e 2001. Observouse, também, que nessa faixa etária meninas foram mais afetadas que meninos, enquanto que na idade adulta homens eram mais afetados que mulheres. No presente estudo, nao se realizou o cruzamento de idade e sexo; no entanto, observamos que em todos os anos analisados pessoas do sexo masculino foram mais afetadas que pessoas do sexo feminino.

Dentre as principais causas de queimaduras, líquidos aquecidos e inflamáveis representavam a maioria das lesoes entre 2000 e 200114, fato que continua inalterado segundo dados do presente estudo, no qual estes dois agentes permaneceram como os principais agentes etiológicos. Quanto às áreas acometidas, de 2000 a 2001 os membros superiores tiveram maior incidência de casos, enquanto que entre 2006 e 2013 o tronco foi a regiao mais atingida, à exceçao do ano de 2008, no qual houve maior incidência de queimaduras em maos.

Considerando a profundidade das lesoes, entre 2000 e 2001 foi reportada maior incidência de queimaduras de 1º grau isoladas e de 1º e 2º graus associadas (49,7%), enquanto que, entre 2006 e 2013, queimaduras de 2º grau apresentaram maior incidência (45,4%), visto que muitos casos menos complexos sao encaminhados diretamente às UAIs, com exceçao do ano de 2010, no qual queimaduras de 3º grau representaram 35,5% das ocorrências.

Nao foram encontrados dados sobre a extensao das queimaduras entre 2000 e 2001, porém, para os dados de 2006 a 2013, queimaduras comprometendo entre 10 e 19% da área total da superfície corporal representaram 36,3% das ocorrências, sendo que somente para o ano de 2008 houve maior incidência de queimaduras de 1º grau (49,2%).

Em um quadro ampliado da situaçao da ocorrência de queimaduras na regiao de Uberlândia14,15, dados levantados entre 2000 a 2005 sobre atendimentos envolvendo queimaduras nas UAIs do município de Uberlândia15, consideradas portas de entrada para os serviços do Sistema Unico de Saúde (SUS), permitem ampliar o entendimento sobre o quadro real de queimaduras, incluindo queimaduras de menor complexidade as quais nao exigem tratamento em nível terciário.

Nesse estudo, ao contrário dos nossos achados para os atendimentos hospitalares realizados entre 2006 a 2013, os autores observaram maior incidência de queimaduras em idades entre 20 e 39 anos, ficando crianças e adolescentes menores de 20 anos em segundo lugar15.

Em contrapartida, queimaduras de 2º grau foram as mais frequentes, em conformidade com nossos achados, ainda que os autores tenham observado uma grande quantidade de prontuários (46%) sem qualquer informaçao acerca do grau das lesoes, fato que foi observado em apenas 23,8% dos casos analisados na UQ do HC-UFU entre 2006 e 2013. Outro achado relevante é a alta incidência de queimaduras na regiao dos olhos (13%) comparada com as demais regioes do corpo, ao contrário dos achados do presente estudo, que encontrou maior ocorrência de queimaduras na regiao do tronco.

Já em anos anteriores, observou-se pouca alteraçao no perfil dos pacientes acometidos por queimaduras, sendo líquidos inflamáveis os principais agentes causadores de queimaduras em crianças de 6 a 12 anos e em adultos na fase laboral. Essas lesoes sao de evoluçao lenta e aprofundam a partir do 3º dia. Já líquidos aquecidos acometem principalmente crianças de 0 a 5 anos em acidentes, predominantemente na cozinha12, e geralmente sao menos profundas, granulam e epitelizam mais rapidamente.

Em relaçao ao tempo de permanência, ocorre uma divergência entre os dados fornecidos pelo serviço de Estatística e a percepçao da equipe de trabalho da UQ do HC-UFU, que observa períodos de internaçoes frequentemente superiores aos encontrados neste estudo, que foram a maioria de casos com permanência inferior a 10 dias.

De maneira geral, fatores como a falta de equipamentos cirúrgicos para a realizaçao de enxertos e limitaçao nos horários de funcionamento do centro cirúrgico contribuem para o aumento na permanência dos pacientes. Em alguns casos, feridas que poderiam ser tratadas fora do ambiente hospitalar prolongam o tempo de internaçao em funçao da condiçao social dos pacientes (como por exemplo, no caso de andarilhos, de moradores de rua, da ausência de familiares para auxiliar nos cuidados pessoais e de pacientes de regioes remotas e zonas rurais com difícil acesso aos serviços de saúde).

O Hospital de Clínicas, sendo em nível terciário, nao é a porta de entrada para todas as ocorrências de queimaduras. Casos de menor complexidade e pequenos acidentes sao resolvidos nas Unidades Básicas de Saúde e nas UAIs do município e da regiao, sem a necessidade de atendimento e internaçao neste hospital. Por isso, um levantamento de dados das unidades de atençao primária poderia fornecer um quadro mais fidedigno, se combinado com os dados dos hospitais públicos e privados da regiao.

Além disso, pacientes muito graves, mesmo que queimados, sao encaminhados para a Unidade de Terapia Intensiva Geral do HC-UFU, sendo que entradas e óbitos lá ocorridos podem nao ser notificadas como casos de queimaduras, mascarando também a real situaçao do cenário na regiao.

Por se tratar de estudo retrospectivo, os dados sao dependentes da qualidade da informaçao registrada no sistema por parte dos profissionais envolvidos na triagem dos pacientes no momento da entrada no serviço e na evoluçao das ocorrências. Também, a formataçao escolhida para o armazenamento digital dos dados de prontuário no sistema influencia e direciona os aspectos mais relevantes a serem considerados no estudo, inviabilizando a classificaçao clara de determinadas informaçoes por parte dos pesquisadores sem que estes tenham que recorrer aos prontuários físicos de cada paciente.

Este estudo atualiza os dados disponíveis sobre a ocorrência de queimaduras na regiao, e sua disponibilizaçao permite que medidas educativas, preventivas e políticas de saúde pública e do trabalhador possam ser revistas e melhoradas no intuito de minimizar o número e a gravidade das ocorrências e favorecer a prestaçao de serviços de melhor qualidade para essa populaçao.


CONCLUSAO

Podemos concluir que houve pouca mudança no perfil epidemiológico dos atendimentos realizados nesta unidade entre os anos de 2006 a 2013 comparado com estudos realizados entre 2000 a 2001, sendo condizente com os cenários brasileiro e de outros países em desenvolvimento. Entretanto, verificou-se a importância de adequaçoes físicas e metodológicas no tratamento do paciente queimado na regiao de Uberlândia, MG, e a necessidade de intensificar programas de prevençao focadas na criança e na perspectiva laboral dos adultos, bem como políticas mais rígidas de educaçao da populaçao e fiscalizaçao no ambiente de trabalho.


AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem às agências de fomento CAPES, CNPq e FAPEMIG pelo apoio à realizaçao dessa pesquisa.


REFERENCIAS

1. Aragao JA, Aragao MECS, Filgueira DM, Teixeira RMP, Reis FP. Estudo epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras internadas na Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital de Urgência de Sergipe. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(3):379-82.

2. Bervian F, Maino MM, Schmidt MK, Silva VBG, Arnt R, Martins PDE. Estudo de mortalidade em pacientes tratados na unidade de queimados no hospital de pronto socorro de Porto Alegre. ACM Arq Catarin Med. 2007;36(Supl.1):173-4.

3. Dias LDF, Oliveira AF, Juliano Y, Ferreira LM. Unidade de Tratamento de Queimaduras da Universidade Federal de Sao Paulo: estudo epidemiológico. Rev Bras Cir Plást. 2015;30(1):86-92.

4. Lacerda LA, Carneiro AC, Oliveira AF, Gragnani A, Ferreira LM. Estudo epidemiológico da Unidade de Tratamento de Queimaduras da Universidade Federal de Sao Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(3):82-8.

5. Souza AA, Mattar CA, Almeida PCC, Faiwichow L, Fernandes FS, Neto ECA, et al. Perfil epidemiológico dos pacientes internados na Unidade de Queimaduras do Hospital do Servidor Público Estadual de Sao Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(3):87-90.

6. Vale ECS. Primeiro atendimento em queimaduras: a abordagem do dermatologista. An Bras Dermatol. 2005;80(1):9-19.

7. Baker SP, O'Neill B, Ginsburg MJ, Guohua L. The injury fact book. 2a ed. New York: Oxford University Press; 1992.

8. Ferreira E, Lucas R, Rossi LA, Andrade D. Curativo do paciente queimado: uma revisao de literatura. Rev Esc Enferm USP. 2003;37(1):44-51.

9. Ricci FPFM, Gonçalves AC, Zampar AC, Gomes AD, Guirro ECO, Fonseca MCR. Perfil epidemiológico dos pacientes com queimadura em membros superiores atendidos em uma Unidade de Queimados terciária. Rev Bras Queimaduras. 2015;14(1):10-3.

10. Forjuoh SN. Burns in low- and middle-income countries: a review of available literature on descriptive epidemiology, risk factors, treatment, and prevention. Burns. 2006;32(5):529-37.

11. Murray CJL, Lopez AD; World Health Organization, World Bank, Harvard School of Public Health. The Global Burden of Disease and Injury Series. Volume I. The Global Burden of Disease. A comprehensive assessment of mortality and disability from diseases, injuries, and risk factors in 1990 and projected to 2020. Geneva: World Health Organization, World Bank, Harvard School of Public Health; 1996.

12. Borges SF, Vieira ALC, Costa FR, Brito JDQ, Silva MRPL, Costa SS. Queimaduras mais frequentes na criança de 1 a 4 anos de idade: uma revisao bibliográfica. J Odontol Facit. 2015;2(2):16.

13. Mascarenhas MDM, Monteiro RA, Sá NNB, Gonzaga LAA, Neves ACM, Roza DL, et al. Epidemiologia das causas externas no Brasil: mortalidade por acidentes e violências no período de 2000 a 2009. In: Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situaçao de Saúde. Saúde Brasil 2010: uma análise de situaçao de saúde e de evidências selecionadas de impacto de açoes de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. p. 225-249.

14. Cruvinel SS, Queiroz DM, Recife FED, Markus J. Epidemiologia de pacientes queimados atendidos no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia no período 2000-2001. Biosci J. 2005;21(1):9-13.

15. Mendes CA, Sá DM, Padovese SM, Cruvinel SS. Estudo epidemiológico de queimaduras atendidas nas Unidades de Atendimento Integrado de Uberlândia-MG entre 2000 a 2005. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):18-22.









Recebido em 6 de Abril de 2016.
Aceito em 12 de Agosto de 2016.

Local de realização do trabalho: Universidade Federal de Uberlândia, Campus Santa Mônica - Núcleo de Inovação e Avaliação Tecnológica em Saúde, Bloco 1 A, sala 216 – Uberlândia, MG, Brasil


© 2021 Todos os Direitos Reservados