1684
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Atuação fisioterapêutica às vítimas da boate Kiss em um hospital de referência no sul do Brasil

Physiotherapy performance in victims of Kiss nightclub in a reference hospital in southern Brazil

Géssica Bordin Viera1; Adriane Schmidt Pasqualoto2; Maria Elaine Trevisan2; Ana Lucia Cervi Prado2; Marisa Bastos Pereira3; Isabella Martins de Albuquerque4

RESUMO

OBJETIVO: Analisar o perfil clínico e a atuaçao fisioterapêutica prestada às vítimas de lesao inalatória e queimaduras de pele no incêndio ocorrido na boate Kiss, na cidade de Santa Maria, RS, em acompanhamento no Ambulatório de Fisioterapia do Hospital Universitário de Santa Maria.
MÉTODOS: Estudo descritivo, transversal e retrospectivo com amostra de 23 pacientes (23,65±6,27 anos, 12 mulheres). Foram analisadas as seguintes variáveis: sexo, idade, tempo de internaçao, utilizaçao de suporte ventilatório, regiao corporal queimada, enxertia, tempo de tratamento e conduta fisioterapêutica.
RESULTADOS: Os achados mostraram que o local da lesao mais acometido foi o tórax (52,17%), seguido dos membros superiores (43,47%) e face (26,08%). Fizeram uso de suporte ventilatório 86,95% dos pacientes, sendo que o tempo médio de internaçao hospitalar foi de 45,92±20,56 dias, assim como 69,56% dos pacientes receberam enxertia. As condutas fisioterapêuticas mais utilizadas nas disfunçoes musculoesqueléticas foram mobilizaçoes articulares (91,30%), cinesioterapia (78,26%) e diagonais da facilitaçao neuromuscular proprioceptiva (52,17%) e, para as disfunçoes respiratórias, a umidificaçao das vias aéreas por nebulizaçao ultrassônica (100%), manobras de desobstruçao brônquica (100%) e manobras de reexpansao pulmonar (100%). O tempo médio de tratamento foi de 4,13±1,89 meses.
CONCLUSOES: A maior parte dos pacientes fez uso de suporte ventilatório e recebeu enxertia cutânea em decorrência das queimaduras, que predominaram na regiao do tórax e membros inferiores. Os procedimentos fisioterapêuticos mais frequentemente utilizados foram as mobilizaçoes articulares, cinesioterapia, diagonais da facilitaçao neuromuscular proprioceptiva, umidificaçao das vias aéreas por nebulizaçao ultrassônica, manobras de desobstruçao brônquica e reexpansao pulmonar.

Palavras-chave: Lesão por Inalação de Fumaça. Queimaduras. Modalidades de Fisioterapia. Perfil de Saúde.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To analyze the clinical profile and physiotherapy performance in victims of inhalation of toxic smoke and skin burns in Kiss nightclub fire in the city of Santa Maria-RS, followed in the physiotherapy clinic at the Hospital Universitário de Santa Maria.
METHODS: A descriptive, cross-sectional retrospective study with 23 patients (23.65±6.27 years, 12 women). The following variables were analyzed: gender, age, length of stay, use of ventilatory support, burned area, skin graft, treatment time, and physical therapy technique.
RESULTS: The findings showed that the site of skin injury most affected was the chest (52.17%), followed by the upper limbs (43.47%) and face (26.08%). 86.95% of the patients were submitted to ventilatory support, and the average length of stay was 45.92±20.56 days, being that 69.56% of patients received grafts. The physical therapy procedures commonly used in musculoskeletal dysfunctions were joint mobilizations (91.30%), kinesiotherapy (78.26%) and diagonals of proprioceptive neuromuscular facilitation (52.17%) and respiratory disorders, ultrasonic nebulizer (100%), chest physiotherapy maneuvers (100%) and lung expansion maneuvers (100%). The average length of treatment was 4.13±1.89 months.
CONCLUSIONS: Most patients were submitted to ventilatory support and received skin graft due to the burns that predominated in the chest region and lower limbs. The physical therapy procedures most frequently used were joint mobilizations, kinesiotherapy, diagonals of proprioceptive neuromuscular facilitation, humidification airway by ultrasonic nebulizer, chest physiotherapy and pulmonary expansion maneuvers.

Keywords: Smoke Inhalation Injury. Burns. Physical Therapy Modalities. Health Profile.

INTRODUÇAO

O incêndio ocorrido na boate Kiss, na cidade de Santa Maria, RS, em 27 de janeiro de 2013, vitimou 242 pessoas, das quais 235 foram a óbito, nesse dia, asfixiadas pela inalaçao de fumaça tóxica e, aproximadamente, outras mil ficaram feridas. Laudos técnicos do Instituto Geral de Perícias confirmaram a intoxicaçao por monóxido do carbono e por cianeto de hidrogênio, resultantes da combustao da espuma de poliuretano utilizada para o isolamento acústico no teto da boate1.

No Brasil, esta foi a segunda maior tragédia em decorrência de incêndio. A primeira ocorreu na cidade de Niterói, RJ, no Gran Circus Norte-Americano, em 1961, na qual 503 pessoas foram vitimadas. Considerando-se o número de feridos e vítimas fatais, mundialmente, é o segundo maior incêndio em boate, superado apenas pelo incêndio na boate Cocoanut Grove, em Boston-EUA, no ano de 1942, o qual resultou em 492 óbitos e centenas de feridos. As características do incêndio na boate Kiss foram semelhantes às do ocorrido na discoteca República Cromañon, na Argentina, em 2004, com 194 vítimas fatais e 1432 feridos2.

As vítimas da tragédia na boate Kiss foram imediatamente admitidas nos hospitais de Santa Maria, em unidades de internaçao de média e alta complexidade, por lesoes inalatórias graves e superfície corporal queimada. Na maior parte dos casos, estas lesoes estiveram associadas a traumatismos musculoesqueléticos decorrentes dos esforços físicos realizados para sair do local. Ainda, devido ao grande número de vítimas, os casos mais graves foram transferidos para hospitais da capital do estado, cidade referência no tratamento de queimados.

Ao considerar as múltiplas sequelas pós-internaçao hospitalar, tornou-se necessário e urgente o acompanhamento ambulatorial destes pacientes. Além das sequelas físicas, emocionais, sociais e econômicas, identificadas de imediato, outras complicaçoes tardias poderao se instalar em decorrência da exposiçao à fumaça tóxica e aos traumas, sobretudo o psicoemocional, assim como das queimaduras graves de pele, que podem ter um desfecho a médio e longo prazo, no mínimo preocupante pela sua obscuridade evolutiva.

Um estudo conduzido por Park et al.3 demonstrou que a lesao inalatória provoca um processo inflamatório das vias aéreas, com acometimento pulmonar a longo prazo, podendo estar associada a significantes índices de morbimortalidade. Já, as queimaduras de pele deixam sequelas impactantes e podem contribuir para complicaçoes secundárias, sendo seu tratamento desafiador dependendo da gravidade e extensao. Dessa forma, a fisioterapia torna-se imprescindível no tratamento de vítimas de lesao inalatória e queimaduras, uma vez que busca minimizar as sequelas deixadas pela lesao, ofertando, assim, melhor qualidade de vida, integridade física e psicológica4.

Partindo desses pressupostos, o presente estudo teve por objetivo de analisar o perfil clínico e a atuaçao fisioterapêutica prestada às vítimas do incêndio ocorrido na boate Kiss, na cidade de Santa Maria, RS, com sequelas de lesao inalatória e queimaduras de pele, em acompanhamento no Ambulatório de Fisioterapia do Hospital Universitário de Santa Maria.


MÉTODOS

Trata-se de um estudo de caráter descritivo com delineamento transversal e abordagem retrospectiva, realizado durante o período de abril a junho de 2014 a partir da análise de prontuários de pacientes com sequelas de lesao inalatória e queimaduras de pele, sobreviventes ao incêndio da boate Kiss, em acompanhamento no Ambulatório de Fisioterapia do Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM).

As variáveis dependentes deste estudo foram: sexo, idade, tempo de internaçao, utilizaçao de suporte ventilatório, regiao corporal queimada, enxertia, tempo de tratamento e conduta fisioterapêutica utilizada.

Todos os participantes da pesquisa foram avaliados pela equipe multiprofissional do Centro Integrado de Atençao às Vítimas de Acidentes (CIAVA), constituída por médicos clínicos gerais, pneumologistas, neurologistas, psiquiatras, enfermeiros, assistente social, farmacêuticos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e psicólogos5.

Este estudo configura-se em um desdobramento da pesquisa 'guarda-chuva' intitulada "Investigaçoes das açoes interdisciplinares em indivíduos com lesao inalatória e queimaduras graves" aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, sob parecer número 23676813.8.0000.5346.

Análise estatística

O procedimento de tabulaçao das informaçoes coletadas foi efetuado em um banco de dados do programa EpiData (versao 3.1). Os dados foram analisados pelo programa estatístico SPSS (versao 20.0). Os dados categóricos foram apresentados em frequências absolutas e porcentagens. Os dados contínuos com distribuiçao normal foram apresentados em média e desvio padrao.


RESULTADOS

Foram examinados consecutivamente os prontuários de 23 pacientes (23,65±6,27 anos). Destes, 11 (47,82%) do sexo masculino e 12 (52,17%) do sexo feminino; 20 pacientes (86,95%) fizeram uso de suporte ventilatório e 16 pacientes (69,56%) receberam enxertia. O tempo médio de internaçao hospitalar foi de 45,92±20,56 dias (período 27 de janeiro a 18 de março de 2013). O segmento corporal mais frequentemente acometido pelas queimaduras foi o tórax (52,17%), seguido dos membros superiores (43,47%) e face (26,08%) (Tabela 1).




Os procedimentos fisioterapêuticos com enfoque para as disfunçoes musculoesqueléticas frequentemente utilizados foram as mobilizaçoes articulares, cinesioterapia e diagonais da facilitaçao neuromuscular proprioceptiva (Tabela 2).




Sob o ponto de vista da fisioterapia respiratória (Tabela 3), observa-se que os procedimentos frequentemente utilizados foram: umidificaçao das vias aéreas por nebulizaçao ultrassônica, manobras de desobstruçao brônquica e manobras de reexpansao pulmonar.




DISCUSSAO

O presente estudo analisou o perfil clínico e a atuaçao fisioterapêutica prestada às vítimas do incêndio ocorrido na boate Kiss, na cidade de Santa Maria, RS, com sequelas de lesao inalatória e queimaduras de pele, em acompanhamento no Ambulatório de Fisioterapia do Hospital Universitário de Santa Maria.

Os resultados demonstraram que os pacientes da amostra foram, em sua maioria, adultos jovens do sexo feminino. Estudos apontam que jovens em idade economicamente ativa sao os principais envolvidos em acidentes ou em grandes tragédias6,7, fato que poderá ocasionar nao apenas um desgaste psicológico, social e familiar, mas também prejuízos na populaçao economicamente ativa8.

No presente estudo, constatou-se que 86,95% dos pacientes da amostra fizeram uso de suporte ventilatório. Tal achado vai ao encontro do que a literatura preconiza, ou seja, que a lesao por inalaçao de fumaça em ambientes fechados, a qual pode ser dividida em dano térmico direto, intoxicaçao por monóxido de carbono e intoxicaçao por cianeto, propicia condiçoes as quais frequentemente levam à necessidade de intubaçao orotraqueal (IOT) imediata, seja por obstruçao aguda de vias aéreas, seja por depressao do nível de consciência9. Cancio10 ainda complementa que se recomenda a IOT profilática em todos os grandes queimados, com acometimento de mais de 40% de superfície corporal queimada.

Em relaçao ao tempo médio de internaçao hospitalar, constatou-se média de 45,92 dias. Recente estudo conduzido por Elsous et al.11 verificou que em pacientes internados em um Centro de Referência para queimados na Faixa de Gaza a média dos dias de internaçao foi de 11,45 dias. No estudo de Lacerda et al.12 foi observado que o mês de janeiro de 2010 foi o período de maior média de permanência dos pacientes, qual seja, 33,5 dias, entretanto, a média total do ano foi de 13,7 dias de internaçao, sendo que a presença de lesao inalatória foi constatada em 10,9% da amostra. O maior tempo de permanência demonstrado em nosso estudo pode estar associado ao fato de que 86,95% da amostra fez uso de suporte ventilatório, assim como pela gravidade das queimaduras.

No que diz respeito à regiao corporal atingida pelas queimaduras, nossos achados mostraram que a regiao do tórax (52,17%), seguida dos membros superiores (43,47%) e face (26,08%) foram as mais acometidas. Tais resultados estao de acordo com os descritos do estudo de Aragao et al.13 em que os autores constataram que as regioes mais atingidas foram o tórax e membro superior, e com o estudo de Siddiqui et al.14, o qual demonstrou que, além dos membros superiores e regiao torácica, a face também foi um dos locais de acometimento.

A literatura menciona que, em virtude dos riscos estéticos e funcionais, sao desfavoráveis as queimaduras que comprometem a face, o pescoço e as maos. Além disso, aquelas localizadas em face e pescoço costumam estar mais frequentemente associadas à inalaçao de fumaça, assim como podem causar edema considerável, prejudicando a permeabilidade das vias respiratórias e levando à insuficiência respiratória15.

Em casos de queimaduras graves nas quais há perda de revestimento cutâneo, faz-se necessária a enxertia cutânea após a realizaçao de desbridamento16. Em nosso estudo, a enxertia ocorreu em 69,56% dos casos; entretanto, no estudo de Biscegli et al.17, o referido procedimento ocorreu em 45% da amostra; já no estudo de Hashmi & Kamal18, 20% da amostra foi submetida a enxertos. Sugere-se que a discrepância em relaçao aos achados de outros estudos pode estar relacionada à alta ocorrência de lesoes de 3º grau, uma vez que a enxertia é mais indicada em lesoes de 2º e 3º grau devido à maior destruiçao tecidual.

Em recente estudo conduzido por nosso grupo, destacouse que o seguimento e a reabilitaçao das vítimas da boate Kiss a longo prazo sao fundamentais19. O presente estudo constatou que o tempo médio de tratamento fisioterapêutico da amostra foi de 4,13±1,89 meses. De acordo com Cardoso et al.20, a reabilitaçao de uma lesao por queimadura é um processo longo e que nao termina com a alta hospitalar.

Dentro desse contexto, ressalta-que o tratamento do paciente queimado envolve uma equipe multiprofissional, em que a fisioterapia atua de forma complementar aos procedimentos cirúrgicos, principalmente nas enxertias, com condutas importantes em todas as fases. A cinesioterapia, considerada como um importante componente da aptidao física e restauraçao funcional, promove melhora na eficiência dos movimentos, no desempenho muscular e na postura do indivíduo, prevenindo afecçoes musculoesqueléticas21.

Em recente ensaio clínico randomizado, Cho et al.22 demonstraram que a massoterapia associada a um programa de reabilitaçao convencional foi eficaz na diminuiçao da dor e do prurido, bem como na melhora da cicatrizaçao hipertrófica pós-queimadura. É importante destacar que, segundo Borges23, a massoterapia deverá ser utilizada com cautela, a partir da fase de maturaçao, pois seus movimentos podem provocar descolamento tecidual, fator esse no qual poderá retardar a recuperaçao. Este mesmo autor ainda complementa que as técnicas de liberaçao miofascial e manipulaçao sao recursos que também poderao ser utilizados na reabilitaçao de cicatriz do paciente queimado.

Em estudo de caso conduzido por Chiari et al.24, os autores demonstraram que um programa de hidroterapia e cinesioterapia respiratória associado à massoterapia aprimorou a amplitude de movimento da coluna cervical e dos membros superiores em paciente portadora de queimadura na regiao cervical e torácica.

A laserterapia, outro recurso terapêutico efetivo no tratamento complementar das lesoes de pele, tem ganhado destaque nos protocolos de intervençao fisioterapêuticos principalmente por ser um tratamento nao invasivo e possuir resultados positivos na regeneraçao e recuperaçao funcional25.

No contexto da fisioterapia respiratória as opçoes terapêuticas tiveram por base o fato de que a lesao inalatória provoca um processo inflamatório das vias aéreas com acometimento pulmonar a longo prazo, podendo estar associada a significantes índices de morbimortalidade26. Segundo Gonçalves et al.27, após a inalaçao de fumaça ocorre uma série de eventos em decorrência da lesao da mucosa respiratória sendo que, em um primeiro momento, a toxidade da fumaça inalada promove a irritaçao das vias aéreas superiores e, naturalmente, progride para as inferiores.

Devemos considerar, como limitaçao do estudo, a natureza própria do delineamento retrospectivo, na qual pode o viés resultar da revisao dos prontuários, assim como da confiabilidade dos dados neles existentes. Entretanto, é importante mencionar que tal limitaçao nao invalida os nossos achados, principalmente em funçao do lamentável caráter de ineditismo do estudo.


CONCLUSAO

Pode-se concluir que a maior parte dos pacientes fez uso de suporte ventilatório e recebeu enxertia cutânea em decorrência das queimaduras que predominaram na regiao do tórax e membros inferiores. Os procedimentos fisioterapêuticos mais frequentemente utilizados foram as mobilizaçoes articulares, cinesioterapia, diagonais da facilitaçao neuromuscular proprioceptiva, umidificaçao das vias aéreas por nebulizaçao ultrassônica, manobras de desobstruçao brônquica e manobras de reexpansao pulmonar. Ressalta-que a atuaçao fisioterapêutica às vítimas de lesao inalatória e queimaduras de pele da boate Kiss a longo prazo é fundamental.


REFERENCIAS

1. Antonello L. Laudo confirma que queima de espuma em incêndio na Kiss liberou cianeto. Diário de Santa Maria; 2013. [Acesso 2014 Jan 11]. Disponível em: http://diariodesantamaria.clicrbs.com.br/rs/noticia/2013/03/laudo-confirma-que-queima-de-espuma-em-incendio-na-kiss-liberou-cianeto-4079601.html

2. Pasqualoto AS, Albuquerque IM, Pereira MB, Bertolazi AN, Silva CSPR, Prado ALC, et al. Perfil epidemiológico, sinais e sintomas respiratórios de indivíduos que inalaram fumaça tóxica no incêndio da boate Kiss, Santa Maria, RS, Brasil. ConScientiae Saúde. 2015;14(2):229-35.

3. Park GY, Park JW, Jeong DH, Jeong SH. Prolonged airway and systemic inflammatory reactions after smoke inhalation. Chest. 2003;123(2):475-80.

4. Lamberti DP, Arantes DP, Ourique AAC, Prado ALC. Recursos fisioterapêuticos em paciente queimado: relato de caso de um sobrevivente do incêndio na boate Kiss. Rev UNINGA. 2014;18(2):38-41.

5. Albuquerque IM, Trevisan ME, Pasqualoto AS, Prado ALC, Pereira MB, Badaró AFV. Physical therapy performance in the rehabilitation of survivors of the Kiss nightclub tragedy: an experience report. Fisioter Mov. 2015;28(4):649-55.

6. Zabeu JLA, Zovico JRR, Pereira Júnior WN, Tucci Neto PF. Perfil de vítima de acidente motociclístico na emergência de um hospital universitário. Rev Bras Ortop. 2013;48(3):242-45.

7. Martins CBG, Jorge MHPM. Obitos por causas externas em Cuiabá, 0 a 24 anos: perfil das vítimas e famílias segundo a intencionalidade. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(2):454-68.

8. Oliveira NLB, Sousa RMC. Motocyclists victims of traffic accidents return to normal productive activities. Acta Paul Enferm. 2006;19(3):284-9.

9. Antonio AC, Castro PS, Freire LO. Smoke inhalation injury during enclosed-space fires: an update. J Bras Pneumol. 2013;39(3):373-81.

10. Cancio LC. Airway management and smoke inhalation injury in the burn patient. Clin Plast Surg. 2009;36(4):555-67.

11. Elsous A, Ouda M, Mohsen S, Al-Shaikh M, Mokayad S, Abo-Shaban N, et al. Epidemiology and Outcomes of Hospitalized Burn Patients in Gaza Strip: A Descriptive Study. Ethiop J Health Sci. 2016;26(1):9-16.

12. Lacerda LA, Carneiro AC, Oliveira AF, Gragnani A, Ferreira LM. Estudo epidemiológico da Unidade de Tratamento de Queimaduras da Universidade Federal de Sao Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(3):82-8.

13. Aragao JA, Aragao MECSA, Filgueira DM, Teixeira RMP, Reis FP. Estudo epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras internadas na Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital de Urgência de Sergipe. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(3):379-82.

14. Siddiqui E, Zia N, Feroze A, Awan S, Ali A, Razzak J, et al. Burn injury characteristics: findings from Pakistan National Emergency Department Surveillance Study. BMC Emerg Med. 2015;15 Suppl 2:S5.

15. Vale ECS. Primeiro atendimento em queimaduras: abordagem do dermatologista. An Bras Dermatol. 2005;80(1):9-19.

16. Silva JB, Ferdinando MPL, Garbin JGM, Silveira VA. Atendimento inicial às queimaduras de mao: revisao da literatura. Sci Med. 2015;25(2):2-8.

17. Biscegli TS, Benati LD, Faria RS, Boeira TR, Cid FB, Gonsaga RA. Profile of children and adolescents admitted to a Burn Care Unit in the countryside of the state of Sao Paulo. Rev Paul Pediatr. 2014;32(3):177-82.

18. Hashmi M, Kamal R. Management of patients in a dedicated burns intensive care unit (BICU) in a developing country. Burns. 2013;39(3):493-500.

19. Martins de Albuquerque I, Schmidt Pasqualoto A, Trevisan ME, Pereira Gonçalves M, Viero Badaró AF, Potiguara de Moraes J, et al. Role of physiotherapy in the rehabilitation of survivors of the Kiss nightclub tragedy in Santa Maria, Brazil. Physiotherapy. 2013;99(4):269-70.

20. Cardoso EK, Fernandes AM, Rieder MM. Atuaçao da fisioterapia às vítimas da Boate Kiss: a experiência de um Hospital de Pronto-Socorro. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(3):136-41.

21. Melo SV, Linhares LD, Almeida RD. Efeito do método Samiball® na flexibilidade e expansibilidade em vítima de queimadura: relato de caso. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(2):71-4.

22. Cho YS, Jeon JH, Hong A, Yang HT, Yim H, Cho YS, et al. The effect of burn rehabilitation massage therapy on hypertrophic scar after burn: a randomized controlled trial. Burns. 2014;40(8):1513-20.

23. Borges SF. Modalidades terapêuticas nas disfunçoes estéticas. Tratamento fisioterapêutico em pacientes queimados. 2a ed. Sao Paulo: Phorte; 2010. p.505-6.

24. Chiari A, Fernandes MC, Negrini F, Oliveira J, Mesquita RA. Hidroterapia e exercícios respiratórios associados à massoterapia na reabilitaçao de paciente com queimaduras acometendo a regiao torácica. Fisioter Bras. 2007;8(6):441-7.

25. Rosa Junior GM, Magalhaes RMG, Rosa VC, Bueno CRS, Simionato LH, Bortoluci CHF. Efeito da associaçao da laserterapia com a nataçao no reparo morfológico do nervo isquiático e na recuperaçao funcional de ratos submetidos à axonotmese. Fisioter Pesqui. 2016;23(1):12-20.

26. Hampson NB, Rudd RA, Hauff NM. Increased long-term mortality among survivors of acute carbon monoxide poisoning. Crit Care Med. 2009;37(6):1941-7.

27. Gonçalves MP, Pasqualoto AS, Albuquerque IM, Trevisan ME. Cuidados agudos no paciente com lesao por inalaçao de fumaça. In: Martins JA, Andrade FMD, Dias CM, orgs. Associaçao Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva. PROFISIO Programa de Atualizaçao em Fisioterapia em Terapia Intensiva Adulto: Ciclo 5. Porto Alegre: Artmed Panamericana; 2014. p. 109-43.


Estudo oriundo de Trabalho de Conclusao de Curso do Curso de Especializaçao em Reabilitaçao Físico-Motora da UFSM.









Recebido em 2 de Maio de 2016.
Aceito em 8 de Agosto de 2016.

Local de realização do trabalho: Ambulatório de Fisioterapia, do Hospital Universitário de Santa Maria (HUSM), Santa Maria, RS, Brasil.


© 2021 Todos os Direitos Reservados