73048
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo de Revisao

Curativos utilizados no tratamento de queimaduras: uma revisão integrativa

Dressing used in the treatment of burns: an integrative review

Walter de Souza Tavares1; Raquel Souza da Silva2

RESUMO

OBJETIVO: Descrever os curativos utilizados no tratamento de queimaduras evidenciados em artigos científicos publicados entre os anos de 2005 a 2015.
MÉTODO: Revisao Integrativa da Literatura, cujos dados foram coletados nas bases de dados LILACS e MEDLINE, sendo selecionados e analisados na íntegra 11 artigos.
RESULTADOS: Vários curativos sao utilizados no tratamento de queimaduras. Dentre eles, estao os curativos com prata, os hidrogéis, os substitutos de pele, espuma de silicone, curativo úmido e petrolato. Todos aceleram o processo cicatricial e sao eficazes no tratamento de queimaduras, sendo que os mais utilizados sao os curativos com prata.
CONCLUSAO: Existem várias alternativas relacionadas ao curativo para o tratamento da queimadura, cabendo ao profissional que a cuidará decidir qual será melhor para o tratamento, levando em consideraçao a realidade local e custo-benefício.

Palavras-chave: Queimaduras. Curativos. Cicatrização. Hidrogéis. Sulfadiazina de Prata. Pele Artificial.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To describe the dressing used to treat burns, evident in scientific articles between 2005 and 2015.
METHODS: Integrative literature review, whose data were collected in the LILACS and MEDLINE databases, and were selected and analyzed 11 articles in its whole.
RESULTS: A number of dressing are used in the treatment of burns, including silver dressing, hydrogels, skin substitutes, silicone foam, moist dressing and petrolatum. All accelerate the healing process and are effective in the treatment of burns, where the most used are silver dressings.
CONCLUSION: There are several alternatives related to dressing for the treatment of burns, accounting professional to decide what will be best for treatment, taking into account local conditions and cost-effective.

Keywords: Burns. Dressings. Wound Healing. Hydrogels. Silver Sulfadiazine. Skin, Artificial.

INTRODUÇAO

A queimadura é uma importante referência de morbimortalidade no mundo em desenvolvimento1, além de ser um dos principais traumas ao qual o homem pode estar exposto, com uma resposta metabólica e inflamatória intensa2.

A resposta do organismo à queimadura irá depender do agente etiológico, grau de comprometimento da lesao e a extensao da queimadura1. Quanto ao grau de comprometimento, podemos ter queimaduras de primeiro grau, segundo grau e terceiro grau.

A queimadura de primeiro grau compromete somente a epiderme, causando eritema e dor, e geralmente melhora entre 5 e 7 dias. Já a de segundo grau, afeta a epiderme e parte da derme, formando flictenas e a restauraçao dessas lesoes ocorre entre 7 e 21 dias. A de terceiro grau afeta todas as estruturas da pele e estruturas profundas, apresentando-se esbranquiçada ou negra indolor e seca1,3.

O tratamento das queimaduras envolve cuidados locais e sistêmicos, variando de acordo com a profundidade, localizaçao corporal e extensao. O uso de curativos contendo substâncias cicatrizantes e anti-infecciosas é a opçao para a terapia local4.

O uso desses curativos é essencial para a cicatrizaçao das queimaduras. Ao longo dos anos, várias substâncias foram usadas no tratamento dessas lesoes4, as quais ajudam consubstancialmente na restauraçao da pele queimada.

Dentre as substâncias e coberturas utilizadas nos curativos de queimaduras, pode-se citar a sulfadiazina de prata, materiais substitutivos de pele, oxigenoterapia hiperbárica e coberturas impregnadas com prata1. Atualmente, as coberturas impregnadas com prata têm sido alvo de constante estudos devido a sua capacidade antimicrobiana2.

Assim, essas inúmeras pesquisas científicas vêm mostrando a utilizaçao desses curativos, citados anteriormente, no tratamento de feridas por queimadura, demonstrando certa eficácia.

O objetivo da pesquisa é descrever os curativos utilizados no tratamento de queimaduras evidenciados em artigos científicos publicados entre os anos de 2005 a 2015, a fim de fornecer conhecimento acerca das opçoes de curativos usados no tratamento de queimaduras para os profissionais.


MÉTODO

Trata-se de uma Revisao Integrativa da Literatura (RIL), a qual permite a síntese de múltiplos estudos publicados e possibilita conclusoes gerais a respeito de uma área de estudo5.

A presente RIL foi desenvolvida em seis etapas5: elaboraçao da questao norteadora do estudo, estabelecimento de critérios de inclusao e exclusao de estudos, definiçao das informaçoes a serem extraídas dos artigos selecionados, avaliaçao dos estudos incluídos; interpretaçoes dos resultados e apresentaçoes dos resultados.

Foram utilizados como critérios de inclusao: estudos realizados com humanos, publicados na íntegra entre os anos de 2005 e 2015, nos idiomas português e inglês, e que abordaram o tema em destaque, com indexaçao nas bases de dados Literatura Latino-Americano e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS) e na Medical Literature Analysis and Retrieval System Online (MEDLINE). E critério de exclusao: artigos de revisao, carta ao editor, recomendaçoes, pesquisa com animais, pesquisas que nao se enquadravam no objetivo desta.

A ferramenta utilizada de busca dos artigos foi a Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), que engloba várias bases de dados, incluindo LILACS e MEDLINE. Os Descritores em Ciências da Saúde (DeCS) usados foram "queimaduras" e "curativos" cruzados com o operador booleano "AND". A consulta na base de dados foi realizada em outubro e novembro de 2015.

Para a coleta de dados, foi utilizado um instrumento que agrega os seguintes aspectos: nome da pesquisa, autor da pesquisa, ano, objetivo da pesquisa, método e resultados.

Utilizando-se os descritores e operador booleano mencionados, procedeu-se à busca na BVS, emergindo 1369 publicaçoes. A partir disso, iniciou-se a utilizaçao dos critérios de inclusao como filtros dos artigos. Primeiro, foram utilizadas como filtro publicaçoes na íntegra, emergindo 268 artigos dos 1369 iniciais. Após, foram utilizados como filtro artigos publicados em português e inglês, surgindo 257 publicaçoes. Logo a seguir, utilizaram-se os filtros das bases de dados LILACS e MEDLINE e os anos 2005 a 2015, emergindo 227 artigos.

Após essa seleçao, utilizando os critérios de inclusao como filtros na BVS, foi realizada a leitura dos títulos dos 227 artigos, sendo selecionados 50 artigos, utilizando os critérios de exclusao. Após, foi realizada a leitura criteriosa do resumo dos 50 artigos, sendo selecionados 19 artigos. Logo em seguida, realizou-se a leitura na íntegra dos artigos, sendo incluídos neste estudo 11 artigos.

Os artigos excluídos após leitura eram estudos com animais, principalmente ratos, estudos de revisao, recomendaçoes, carta ao editor e estudos que nao se enquadravam no objetivo deste. Assim, foram incluídos nesta RIL 11 artigos que se adequavam ao objetivo deste.


RESULTADOS

Nesta RIL foram analisados 11 artigos que atenderam aos critérios de inclusao previamente estabelecidos. A seguir, apresentar-se-á um panorama geral dos artigos analisados no Quadro I.




Dentre os artigos analisados, oito estavam indexados na base de dados MEDLINE e três estavam indexados na base de dados da LILACS.

Destes artigos, seis foram publicados na Burns, três na Revista Brasileira de Queimaduras, um no Annals of Plastic Surgery e um na International Wound Journal. Sendo que três foram publicados no ano de 2012, três em 2010, dois em 2014 e um em cada ano a seguir: 2008, 2011 e 2013.

Houve predomínio dos ensaios clínicos, nos quais cinco estudos usaram como tratamento controle a sulfadiazina de prata, que é o tratamento convencional para queimaduras, a fim de comparar com os curativos em estudo.

Os curativos estudados foram os curativos com prata, hidrogéis, substitutivos de pele, espuma de silicone, curativo úmido e petrolato.

Todos os estudos avaliaram os efeitos do curativo na cicatrizaçao da queimadura, e em sete artigos foi analisado o escore de dor durante determinado tratamento.


DISCUSSAO

Ao analisar os artigos, percebeu-se que existem vários tipos de curativos utilizados no tratamento de queimaduras descritos na literatura. Dentre eles, pode-se citar a sulfadiazina de prata, alginato de prata, hidrogéis e curativos úmidos.

Assim, a fim de facilitar o entendimento do leitor, optou-se em agrupar os curativos em categorias. Desta forma, dividiram-se os curativos usados no tratamento de queimaduras em três categorias: curativos com prata; hidrogéis; e outros curativos.

Curativos com prata

Quatro artigos8,12,13,15 usaram curativos com prata no tratamento de queimaduras de espessura parcial (2º grau), no entanto, na maioria dos ensaios clínicos, utilizou-se sulfadiazina de prata como tratamento controle.

Os curativos com prata utilizados foram o alginato de prata, a prata nanocristalina, Aquacel com prata e sulfadiazina de prata. O estudo8 que utilizou o alginato de prata (Askira Calgitrol Ag) apresentou um tempo médio de cicatrizaçao de queimadura de espessura parcial de 7 dias. Já no estudo12 que usou a prata nanocristalina, o tempo médio de cicatrizaçao de queimaduras de 2º grau foi de 13 dias.

No estudo13 que usou Aquacel com prata, o tempo médio de cicatrizaçao de queimaduras de espessura parcial foi de 10,5 dias. O tempo de cicatrizaçao das queimaduras tratadas com sulfadiazina de prata variou entre 7 dias para queimaduras de espessura parcial superficial a 17 dias para queimaduras de espessura parcial.

Em uma revisao integrativa sobre a evoluçao do curativo de prata no tratamento de queimaduras, foi destacado que tais curativos possuem importante funçao na cicatrizaçao de queimaduras, além de possuírem um efeito bactericida, que corrobora para uma melhor reepitelizaçao2.

Estudos sobre o efeito clínico do alginato de prata descreveram que este curativo pode acelerar a cicatrizaçao com boa adesao dos pacientes ao tratamento, além de que este curativo reduz o risco de maceraçao periqueimadura; tem maior tempo de uso, reduzindo o número de trocas de curativos; e fornece um ambiente úmido que facilita a granulaçao e rápida reepitelizaçao8,15.

Outro estudo17, realizado no Hospital do Servidor Estadual de Sao Paulo, demonstrou que casos de queimaduras de segundo grau profunda tratadas com hidroalginato com prata apresentaram completa restauraçao entre 10 e 14 dias, e casos de queimaduras de segundo grau superficial apresentaram completa restauraçao entre 7 a 10 dias, mostrando que o curativo com prata acelera o processo cicatricial de queimaduras18.

Já em um ensaio clínico realizado no Cairo, Egito, foi descrito que o curativo de Aquacel Ag possibilita e fornece um meio úmido no leito da queimadura, facilitando a reepitelizaçao, além de ter efeito antimicrobiano devido à prata impregnada em sua composiçao. Este curativo acelera a cicatrizaçao, possui tempo maior de uso e requer cuidados mínimos na sua aplicaçao13.

Outro curativo que pode ser utilizado em queimadura é a prata nanocristalina, por possuir excelente efeito antimicrobiano. No entanto, este curativo pode ter efeito nao seletivo, causando destruiçao de células necessárias para reepitelizaçao. Apesar disso, possui baixa aderência ao leito da ferida, diminuindo a frequência de trocas de curativo, tendo maior praticidade na realizaçao dos curativos de pacientes pouco colaborativos12,15.

Um curativo que é bastante recomendado no tratamento inicial de queimaduras de segundo e terceiro grau é a sulfadiazina de prata, devido ao seu efeito antimicrobiano de amplo espectro. Porém, uma desvantagem deste curativo é que ele necessita de trocas diárias de curativo devido à oxidaçao da prata1,8,15,18.

As coberturas impregnadas com prata servem como barreira protetora antimicrobiana que também liberam o poder antimicrobiano da prata no leito da ferida, sem inibir a cicatrizaçao18.

Os curativos com prata utilizados no tratamento de queimaduras, analisados nos artigos desta RIL, demonstraram que auxiliam no processo cicatricial, acelerando o período de cicatrizaçao, sendo que todos foram aplicados em queimaduras de segundo grau. Dentre eles, o que promoveu a reepitelizaçao em menor tempo foi o alginato de prata, com tempo médio de cicatrizaçao de sete dias8.

E, como pôde-se observar, os curativos com prata sao amplamente utilizados no tratamento de queimaduras devido suas propriedades antimicrobianas e por permitirem um meio ideal no leito da queimadura que facilita reepitelizaçao, sendo eficazes em tal tratamento.

Hidrogéis

Três artigos9,10,14 usaram hidrogéis no tratamento de queimaduras, sendo que estes hidrogéis utilizados foram a Procutase (hidrogel), Polihexanida com biocelusose e Flaminal (alginato em gel).

O ensaio clínico randomizado9 que utilizou Procutase apresentou tempo médio de cicatrizaçao de 11 dias para queimaduras de segundo grau. Nao obstante, o estudo10 que utilizou o polímero de Polihexanida com biocelulose teve como tempo médio de cicatrizaçao de dez dias para queimaduras de espessura parcial. E o artigo14 que utilizou Flaminal apresentou tempo médio de cicatrizaçao de 17 dias para queimaduras de espessura parcial.

A Procutase é um hidrogel iônico composto por polímeros hidrófilos naturais com traços de metais e com um inibidor de matriz metaloproteinase. Ele age criando um ambiente úmido que promove a proliferaçao de fibroblastos, bem como o processo de cicatrizaçao9 .

O curativo de Polihexanida contendo biocelulose é um curativo de celulose biossintética com o polímero polihexanida, que possui propriedades hidrófilas que estimulam a cicatrizaçao da queimadura10 .

E o Flaminal é uma enzima de alginogel composta por alginato hidratado, polímeros e matriz de água incorporado com um complexo enzimático antimicrobiano14.

Em um estudo realizado em Roma, Itália, foi demonstrado que a Procutase possui propriedades antimicrobianas, e é de grande benefício na promoçao da cicatrizaçao de queimaduras leves, além de promover a reduçao da dor durante a realizaçao do curativo devido sua baixa aderência ao leito da ferida9.

E a Polihexanida com biocelulose foi utilizada em ensaio clínico randomizado que demonstrou sua eficácia na cicatrizaçao de queimaduras e na reduçao da dor durante a troca de curativos, além de diminuir essa quantidade de trocas10.

Uma pesquisa14 realizada sobre o Flaminal mostrou que este acelera a cicatrizaçao da queimadura e reduz o risco de desenvolvimento de cicatrizes hipertróficas, pois foi analisado e verificado que os pacientes tratados com tal curativo apresentaram melhores resultados estéticos e funcionais14.

Na literatura é descrito que os curativos de hidrogéis reduzem a dor com sensaçao de refrescância, devido a sua elevada umidade e auxiliam na reparaçao tecidual por promover ambiente ideal para tal processo1. E sao indicados para queimaduras de espessura parcial com exsudaçao abundante18.

Já em estudo19 realizado no ambulatório de Reparo Tecidual da Universidade Federal Fluminense, foi avaliada a eficácia e segurança do uso de hidrogel em feridas, demonstrando que o hidrogel é eficaz e seguro para o tratamento de feridas, melhorando o leito tecidual e promovendo a aceleraçao do processo cicatricial.

A aceleraçao do processo cicatricial pode ser observada nos estudos incluídos nesta RIL, pois os curativos de hidrogéis, usados em queimaduras de segundo grau, auxiliam no processo cicatricial e reduzem os níveis de dor nos pacientes. Dentre eles, o que promoveu a cicatrizaçao em menor tempo foi a polihexanida com biocelulose, com tempo médio de cicatrizaçao de 10 dias10.

Assim, os hidrogéis podem ser utilizados no tratamento de queimaduras de espessura parcial (2º grau), pois auxiliam no processo cicatricial e promovem a reduçao da dor.

Outros curativos

Nesta categoria, serao mostrados alguns tipos de curativos utilizados no tratamento de queimaduras, dentre eles estao os substitutos de pele, curativo com espuma, curativos úmidos e curativo com gel de petrolato.

Os substitutos de pele usados nos estudos contidos nos artigos foram: Suprathel, Omiderm, Tegaderme e membrana amniótica.

O estudo de Schwarze et al.6 comparou o impacto na cicatrizaçao entre os substitutos de pele Suprathel e Omiderm. Neste estudo, foi demonstrado que houve pouca diferença no tempo médio de cicatrizaçao entre os curativos, sendo de 10,2 dias e 10, 3 dias. No entanto, foi demonstrado que ambos possuem propriedades que auxiliam na cicatrizaçao.

Corroborando, estudo20 realizado no Reino Unido sobre o uso do Suprathel em queimaduras de espessura parcial demonstrou que o Suprathel é um substituto de pele eficaz para o tratamento de queimaduras, permitindo que a cicatrizaçao prossiga sem necessidade de interferência com o leito da ferida, reduzindo a dor e a ansiedade do paciente.

Já o estudo de Adly et al.7 comparou os curativos de membrana amniótica com tegaderme. Tal ensaio clínico demonstrou que o curativo com membrana amniótica acelerou o processo cicatricial das queimaduras e promoveu melhores resultados estéticos.

Os substitutos temporários de pele sao materiais eficazes no tratamento de queimaduras superficiais e podem ser trocados em intervalos regulares ou mantidos até a cicatrizaçao1.

Porém, a pele artificial pode ser uma ferramenta alternativa de tratamento para as queimaduras de espessura parcial profunda e /ou total, especialmente em pacientes com áreas doadoras limitadas21.

Outro curativo utilizado no tratamento de queimaduras, nos estudos analisados, foi o curativo de espuma suave de silicone. Tal curativo foi descrito como uma boa opçao para o tratamento de queimaduras em áreas articulares, pois permite melhor mobilizaçao, e apresentou tempo cicatricial de 12 dias para queimaduras de 2º grau11.

O curativo úmido utilizado nos estudos analisados foi demonstrado como uma opçao para o tratamento de queimaduras, pois acelera o processo de reepitelizaçao. O tempo médio de cicatrizaçao de queimaduras de espessura parcial em face foi de 12,4 dias em curativo aberto e 10,5 dias em curativo oclusivo13.

O gel de petrolato foi descrito em um dos estudos analisados como uma alternativa para o tratamento de queimaduras de espessura parcial superficial, sendo que o tempo médio de cicatrizaçao foi de 6 dias16.

Várias sao as alternativas de curativos que podem ser utilizados no tratamento das queimaduras, como exposto anteriormente. Desta forma, o profissional que cuidará da queimadura deve avaliar com cautela o grau e extensao da mesma para escolher o curativo ideal para o tratamento.


CONCLUSAO

A partir dos resultados da presente RIL, foi possível descrever os curativos utilizados no tratamento de queimaduras, demonstrando que vários curativos sao usados para auxiliar no processo cicatricial. Dentre eles, os mais evidenciados em tal processo sao os curativos com prata, pois além de auxiliar na reepitelizaçao promovem açao antimicrobiana importante no tratamento das queimaduras.

Evidenciou-se, também, que os estudos analisados mostram que os curativos com hidrogéis aceleram a reparaçao tecidual da queimadura e aliviam a dor, pois fornecem um ambiente úmido que favorece a cicatrizaçao e promove um alivio da dor.

Os curativos substitutivos de pele, o petrolato e a espuma de silicone também foram encontrados nos estudos como alternativa para o tratamento de queimaduras. Sendo que todos auxiliam no processo cicatricial e fornecem conforto ao paciente.

Assim, foi evidenciado que existem várias alternativas relacionadas ao curativo para o tratamento da queimadura. Cabe ao profissional que cuidará do paciente queimado avaliar a queimadura e decidir qual será o melhor curativo a ser utilizado no tratamento, levando sempre em consideraçao a realidade local e o custo-benefício.


PRINCIPAIS CONTRIBUIÇOES

Propoe-se a elaboraçao de um plano terapêutico singular, incluindo a escolha do curativo ideal, direcionado ao paciente queimado.

Por serem os curativos mais utilizados em queimaduras de segundo grau, nos artigos analisados nesta RIL, sugere-se a utilizaçao dos curativos com prata no tratamento de tais queimaduras.

Os hidrogéis sao substâncias potenciais e eficazes para o tratamento das queimaduras de segundo grau superficial.

Os substitutos de pele promovem melhores resultados estéticos na cicatriz da queimadura.

Os resultados deste estudo contribuirao para melhorar os cuidados locais com as queimaduras, por meio dos curativos.


REFERENCIAS

1. Oliveira BGRB, Gouveia GBG, Azevedo ES. Atualidades em curativos de grandes queimados. In: Malagutti W, Kakihara CT, orgs. Curativos, estomias e dermatologia: uma abordagem multiprofissional. Sao Paulo: Martinari; 2011. p.549-59.

2. Moser H, Pereima RR, Pereima MJL. Evoluçao dos curativos de prata no tratamento de queimaduras de espessura parcial. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(2):60-7.

3. Brasil. Ministério da Saúde. Cartilha para Tratamento de Emergência das Queimaduras. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. p.20.

4. Moreira SS, Macedo AC, Nunes BB, Brasileiro FF, Guarizzo J, Gozzano R, et al. Implantaçao de nova tecnologia para otimizaçao do atendimento em ambulatório de queimados, sem adiçao de custos. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(2):87-102.

5. Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvao CM. Revisao Integrativa: método de pesquisa para a incorporaçao de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2008;17(4):758-64.

6. Schwarze H, Küntscher M, Uhlig C, Hierlemann H, Prantl L, Ottomann C, et al. Suprathel, a new skin substitute, in the management of partial-thickness burn wounds: results of a clinical study. Ann Plast Surg. 2008;60(2):181-5.

7. Adly OA, Moghazy AM, Abbas AH, Ellabban AM, Ali OS, Mohamed BA. Assessment of amniotic and polyurethane membrane dressings in the treatment of burns. Burns. 2010;36(5):703-10.

8. Opasanon S, Muangman P, Namviriyachote N. Clinical effectiveness of alginate silver dressing in outpatient management of partial-thickness burns. Int Wound J. 2010;7(6):467-71.

9. Grippaudo FR, Carini L, Baldini R. Procutase versus 1% silver sulphadiazine in the treatment of minor burns. Burns. 2010;36(6):871-5.

10. Piatkowski A, Drummer N, Andriessen A, Ulrich D, Pallua N. Randomized controlled single center study comparing a polyhexanide containing bio-cellulose dressing with silver sulfadiazine cream in partial-thickness dermal burns. Burns. 2011;37(5):800-4.

11. Proto RS, Gozzano RN, Brasileiro F, Moreira SS, Gonella HA. Curativo de espuma e silicone suave: uma alternativa para o tratamento de queimadura em maos. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(2):100-2.

12. Costa Filho MAR, Ferreira RB, Nunes BB, Bortolucci GAP, Proto RS, Gozzano RN, et al. Tratamento ambulatorial de queimaduras com prata nanocristalina em malha flexível: uma alternativa terapêutica. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(4):226-9.

13. Mabrouk A, Boughdadi NS, Helal HA, Zaki BM, Maher A. Moist occlusive dressing (Aquacel(®) Ag) versus moist open dressing (MEBO(®)) in the management of partial-thickness facial burns: a comparative study in Ain Shams University. Burns. 2012;38(3):396-403.

14. Hoeksema H, Vandekerckhove D, Verbelen J, Heyneman A, Monstrey S. A comparative study of 1% silver sulphadiazine (Flammazine®) versus an enzyme alginogel (Flaminal®) in the treatment of partial thickness burns. Burns. 2013;39(6):1234-41.

15. Moser HH, Pereima MJL, Soares FF, Feijó R. Uso de curativos impregnados com prata no tratamento de crianças queimadas internadas no Hospital Infantil Joana de Gusmao. Rev Bras Queimaduras. 2014;13(3):147-53.

16. Genuino GA, Baluyut-Angeles KV, Espiritu AP, Lapitan MC, Buckley BS. Topical petrolatum gel alone versus topical silver sulfadiazine with standard gauze dressings for the treatment of superficial partial thickness burns in adults: a randomized controlled trial. Burns. 2014;40(7):1267-73.

17. Rocha FS, Sakai RL, Simao TS, Campos MH, Pinto DCS, Mattar CA, et al. Avaliaçao comparativa do uso de hidroalginato com prata e o curativo convencional em queimaduras de segundo grau. Rev Bras Queimaduras. 2012;11(3):106-10.

18. Rossi LA, Menezez MAJ, Gonçalves N, Ciofi-Silva CL, Farina Júnior JA, Stuchi RAG, et al. Cuidados locais com as feridas das queimaduras. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(2):54-9.

19. Rodrigues LM, Oliveira BGRB, Castilho SR, Futuro DO. Safety and Efficiency of Carboximethylcellulose Hydrogel 2% in Leg Ulcers. J Res Fundam Care Online. 2013;5(4):690-5.

20. Highton L, Wallace C, Shah M. Use of Suprathel® for partial thickness burns in children. Burns. 2013;39(1):136-41.

21. Yeong EK, Chen SH, Tang YB. The treatment of bone exposure in burns by using artificial dermis. Ann Plast Surg. 2012;69(6):607-10.










1. Enfermeiro. Graduado pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Residente em Enfermagem Cirúrgica pelo Programa de Residência em Enfermagem da Secretaria de Saúde do Amapá (PRE/CORE/SESA), Macapá, AP, Brasil
2. Enfermeira. Mestranda do Programa de Pós-graduaçao em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Amapá. Especialista em Enfermagem Cirúrgica e Nefrologia. Supervisora da especialidade Cirúrgica (PRE/CORE/SESA) Coordenadora do Programa de Residência de Enfermagem da Secretaria de Saúde do Amapá (PRE/CORE/SESA), Macapá, AP, Brasil

Correspondência:
Walter de Souza Tavares
Coordenaçao da Residência em Enfermagem da Secretaria de Saúde do Amapá (CORE/SESA)
Av. Fab, 69, Centro
Macapá, AP, Brasil - CEP: 68.900-000
E-mail: walter_sou_z@hotmail.com; enfraquelsouza@gmail.com; core@saude.ap.gov.br

Artigo recebido: 15/01/2016
Artigo aceito: 12/2/2016

Local de realizaçao do trabalho: Universidade Federal do Amapá, Macapá, AP, Brasil.

© 2021 Todos os Direitos Reservados