172
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Perfil dos pacientes evasores atendidos no ambulatório de queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba

Profile of evaders patients in the burn clinic of the hospital set of Sorocaba

Rosiane Cristina Pereira Fujimaki de Queiroz1; Rosilene Ferraz de Souza2; Miriam Sanches do Nascimento Silveira3; Daniele Porto Barros4; Thatira Jacinto Postali Pezato5; Sheilla Siedler Tavares6; Marisol Alves Festa7; Débora Gomes Barros8

RESUMO

OBJETIVO: Identificar o perfil dos pacientes desistentes do tratamento ambulatorial de queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS).
MÉTODO: Estudo exploratório, descritivo de característica transversal e quantitativo com pacientes acima de 18 anos que sofreram queimaduras de 2° grau, com abandono do tratamento em regime ambulatorial da Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) do CHS, no período de novembro de 2013 a maio de 2014, por meio da busca no Serviço de Arquivo Médico e Estatística (SAME) e posterior visita domiciliária para a realizaçao de entrevista semiestruturada. As variáveis analisadas foram as características sociodemográficas, clínicas e terapêuticas.
RESULTADOS: A amostra constitui-se de nove participantes; destes, 55,5% do gênero masculino, 44,4% possuíam vínculo profissional informal, 66,6% dos acidentes ocorreram em ambiente domiciliar, 88,8% por escaldo, sendo a mao o membro mais afetado (44%). A média de tratamento foi de 2 dias e a fase cicatricial identificada foi a hiperpigmentaçao (55,5%). Quanto ao tratamento tópico, foi utilizado em 44,4% a hidrofibra de carboximetilcelulose e prata a 1,2% e a colagenase e cloranfenicol (33,3%).
CONCLUSAO: A maioria dos envolvidos sao pessoas economicamente ativas, que sofreram lesoes, principalmente em maos, o que impossibilitou sua produtividade, fator contribuinte para a desistência do tratamento. Visto a dificuldade em contatar todos os desistentes do tratamento, aliado à escassez de publicaçoes, evidencia-se a necessidade de estudos sobre a temática.

Palavras-chave: Queimaduras. Assistência Ambulatorial. Pacientes Desistentes do Tratamento.

ABSTRACT

OBJECTIVE: To identify the profile of dropouts patients in the outpatient treatment of burns of the Hospital Complex of Sorocaba (HCS).
METHOD: Exploratory descriptive study of transversal and quantitative characteristic with patients older than 18 who suffered 2nd degree burns, with dropout in outpatient of Burn Care Unit of HCS in November 2013 to May 2014, by searching in Medical Records and Statistics Service (MRSS) and subsequent home visit to conduct semi-structured interview. The variables analyzed were the demographic characteristics, clinical and therapeutic partner.
RESULTS: The sample is constituted of nine participants, of these 55.5% were male, 44.4% had informal employment status, 66.6% of the accidents occurred in the home environment, 88.8% by scalding, being the hand over the affected limb (44%). The average treatment was 2 days and was identified scar hyperpigmentation phase (55.5%). As regards topical treatment, 44.4% was used in the hydrofiber carboxymethylcellulose and the silver and 1.2% collagenase and chloramphenicol (33.3%).
CONCLUSION: The majority of those involved are economically active people, who have suffered injuries, especially in the hands, which prevented their productivity, contributing factor to the withdrawal of treatment. Since the difficulty in contacting all dropouts of treatment, combined with the scarcity of publications, highlights the need for studies on the subject.

Keywords: Burns. Ambulatory Care. Patient Dropouts.

INTRODUÇAO

A queimadura representa um dano físico resultante de exposiçao excessiva a agentes químicos ou físicos. É considerada a principal causa de morbimortalidade nos países em desenvolvimento, sendo responsável por 500.000 mortes por ano em todo o mundo, sendo nos EUA aproximadamente 4.000 pacientes por ano. Dados brasileiros sao inexistentes, mas estima-se um número superior aos dados americanos1,2.

Considerada um trauma grave de alta complexidade e difícil tratamento, constitui um grande problema de saúde pública, causando impacto nas condiçoes econômicas e sociais1,3.

A gravidade e classificaçao das queimaduras dependem de vários fatores como temperatura do agente térmico, tempo de exposiçao, tipo de agente e seu calor específico, bem como o mecanismo de lesao, grau, profundidade, área corporal acometida, regiao ou parte do corpo afetada e sua extensao4-6.

O tratamento das queimaduras sempre foi um desafio nao só pela gravidade das lesoes apresentadas por estes pacientes, como também pelas muitas complicaçoes3.

No tratamento deve-se considerar, além da profundidade da ferida, sua fase evolutiva. O tratamento ambulatorial irá variar de acordo com o grau e a extensao da lesao, curativos e desbridamento. Estes sao fatores desencadeadores de ansiedade com probabilidade de complicaçoes e consequências físicas e psicossociais ao paciente, podendo influenciar a produtividade econômica e social7,8.

A evasao desses pacientes do tratamento pode estar associada à característica do paciente, do tratamento, aspectos da doença, relaçao entre paciente, equipe e família e o ambiente hospitalar. Outras questoes envolvidas na nao adesao ao tratamento terapêutico estao relacionadas à incerteza sobre a eficácia do tratamento, doenças de base relacionada à saúde do paciente, experiência traumática com tratamento anterior; dificuldades financeiras para levar adiante o tratamento, assistência prestada pelos profissionais, pessimismo com relaçao ao sucesso do tratamento e a impaciência com a progressao do tratamento9.

A importância da continuidade no tratamento do queimado leva em consideraçao a minimizaçao de sequelas. Um conjunto de procedimentos é utilizado atualmente no tratamento das queimaduras, de acordo com a classificaçao do paciente quanto à idade, agente causador, extensao, profundidade, localizaçao da lesao, período evolutivo, condiçoes gerais do doente, bem como as complicaçoes infecciosas10.

No período de novembro de 2013 a maio de 2014, trinta e seis pacientes abandonaram o tratamento no ambulatório de queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS). Portanto, é de extrema importância a caracterizaçao dos pacientes queimados que interrompem o tratamento, com o objetivo de programar estratégias efetivas de intervençao de acordo com perfil traçado. No entanto, há escassez de evidências científicas que determinem as principais causas de evasao dos pacientes queimados em tratamento ambulatorial, sendo uma lacuna de conhecimento.

No presente estudo, buscou-se identificar o perfil dos pacientes desistentes do tratamento ambulatorial de queimadura do Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS), em Sorocaba, SP.


MÉTODO

Estudo exploratório, descritivo, de característica transversal. Utilizaram-se como variáveis de estudo características sociodemográficas (idade, gênero, estado civil, etnia, município de origem, escolaridade, vínculo empregatício e renda), clínicas (dias de tratamento, local da ocorrência, agente etiológico, superfície corporal queimada e local afetado) e terapêutica (curativo utilizado, situaçao atual da lesao) dos pacientes envolvidos.

Foram localizados os pacientes que evadiram do tratamento ambulatorial de queimados no período de novembro de 2013 a maio de 2014, por meio do Serviço de Arquivo Médico e Estatística (SAME) do CHS, sendo inclusos no estudo os residentes no município de Sorocaba, maiores de 18 anos, independentemente do gênero, que apresentaram queimaduras de segundo grau. Após esta primeira seleçao, foi realizado contato telefônico para o agendamento da entrevista semiestruturada, com questionário previamente elaborado pelos autores.

A pesquisa ocorreu por meio de visita domiciliar, compreendida entre os meses de outubro a novembro de 2014; as entrevistas foram gravadas em MP3 por duas pesquisadoras previamente treinadas e transcritas na íntegra. Foram excluídos os pacientes que nao se adequavam aos critérios de inclusao, aqueles com os quais nao foi possível contato telefônico e os que se recusaram a participar da pesquisa ou assinar o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Por se tratar de levantamento de dados envolvendo seres humanos, o mesmo foi submetido à apreciaçao e aprovaçao pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade de Sorocaba (UNISO), regulamentada pelo CONEP sob o parecer nº785.463, de acordo com o que preconiza a portaria 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, respeitando as normas da Declaraçao de Helsinque. Os dados foram tabulados em Excel, com análise de médias e desvio padrao.


RESULTADOS

Dos 36 pacientes desistentes do tratamento, nove nao atenderam aos critérios de inclusao pelo tipo de queimadura ou pela idade, sete eram residentes em outro município e dois nao puderam ser contatados por preenchimento incompleto do prontuário. Dos 18 pacientes que fizeram parte do critério de inclusao, com nove nao foi possível contato após tentativas telefônicas ou nao aceitaram participar da pesquisa. Desta forma, a amostra constitui-se de nove participantes; ainda que tenha sido pequena, é importante estudar as características deste grupo devido à escassez de publicaçao referente à desistência do tratamento.

As características sociodemográficas dos pacientes evasores do tratamento, no ambulatório do CHS, estao descritos na Tabela 1. Nesta amostra os pacientes apresentaram mediana de idade de 30 anos (Figura 1), gênero masculino (55,5%), a maioria casados (77,7%), etnia branca (77,7%), com grau de escolaridade ensino médio completo (44,4%), possuíam vínculo profissional informal (44,4%) e a renda variou de 1 a 3 salários mínimos por família (88,8%).




Figura 1 - Idade dos pacientes entrevistados no período de outubro a novembro de 2014. Sorocaba, 2015.



Na Tabela 2 estao apresentadas as características clínicas dos pacientes entrevistados. A média de dias de tratamento foi de 2±1,8. A maioria dos acidentes com queimadura aconteceu em ambiente domiciliar (66,6%), por escaldo (88,8%), sendo a mao a principal área atingida (44,4%). A superfície corpórea queimada (SCQ) média foi de 2,28±2,0.




Quanto ao tratamento tópico, foi utilizado em 44,4% a hidrofibra de carboximetilcelulose e prata a 1,2% e a colagenase e cloranfenicol (33,3%); a situaçao atual da queimadura se caracteriza por manchas de tom róseo, castanho e marrom (66,6%), ilustrados na Tabela 3.




DISCUSSAO

O perfil dos pacientes desta pesquisa mostrou-se semelhante a estudo realizado em Porto Alegre, RS, Brasil11, no que se refere ao gênero, idade, etnia, local do acidente, agente etiológico e membro mais atingido.

Nao houve comparaçao das outras variáveis analisadas referentes à epidemiologia do paciente, grau de escolaridade, vínculo profissional e renda familiar, pois nao foram localizados estudos que apresentassem este perfil; porém, tais informaçoes devem ser consideradas para traçar estratégias de prevençao e mecanismos de açao.

A caracterizaçao das vítimas de queimaduras torna-se indispensável para a compreensao da magnitude do problema, por meio da identificaçao da populaçao mais atingida, tipo de lesao e circunstâncias, visando traçar estratégias efetivas de prevençao12. Faz-se necessário, portanto, a implantaçao de políticas públicas voltadas à promoçao e prevençao de queimaduras, a fim de reduzir os casos atendidos13.

Quanto ao tipo de curativo mais utilizado na cobertura das lesoes, a hidrofibra de carboximetilcelulose e prata a 1,2% foram os mais utilizados, e, em queimaduras de 2° grau, principalmente em maos e antebraço, proporciona resultado positivo pelo conforto durante o uso e trocas de curativo, eficácia pela absorçao de exsudato e controle de infecçoes e uma epitelizaçao breve, minimizando sequelas funcionais14.

A situaçao atual da queimadura predominante foi a hiperpigmentaçao, com tons variados entre castanho claro e marrom escuro na regiao cicatrizada por excesso de melanina que aparece muitas vezes nas áreas restauradas.


CONCLUSAO

Na amostra estudada, a maioria dos pacientes vítimas de queimaduras, desistentes do tratamento ambulatorial, sao pessoas economicamente ativas, que sofreram lesoes, principalmente em maos, o que impossibilitou sua produtividade profissional, afetando a renda familiar.

Apesar da maioria dos pacientes avaliados apresentar vínculo empregatício externo, os acidentes de queimaduras ocorreram na própria residência, tendo como principal agente etiológico o escaldo, resultante de acidentes por atividades diárias comuns.

A adesao ao tratamento no ambulatório de queimados é crucial para uma boa progressao da cicatriz da ferida. O tratamento consiste em protocolos que incluam terapêutica farmacológica, curativos eficazes, orientaçoes pertinentes aos pacientes e cuidadores, na intençao de promoçao da saúde e da qualidade de vida. Os pacientes que evadem do tratamento ficam desprovidos da eficácia da assistência e das informaçoes inerentes.

Desta forma, demonstra-se primordial que o profissional de saúde entenda o contexto no qual o paciente está inserido e trace o plano terapêutico envolvendo uma abordagem educativa sobre o tratamento e processo cicatricial, proporcionado, assim, um maior respaldo técnico e científico para a prática segura.

Visto a dificuldade em contatar todos os desistentes do tratamento, aliado à escassez de publicaçoes, evidencia-se a necessidade de estudos sobre a temática.


REFERENCIAS

1. Peck MD. Epidemiology of burns throughout the world. Part I: Distribution and risk factors. Burns. 2011;37(7):1087-100.

2. Gimenes GA, Alferes FC, Dorsa PP, Barros ACP, Gonella HA. Estudo epidemiológico de pacientes internados no Centro de Tratamento de Queimados do Conjunto Hospitalar de Sorocaba. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):14-7.

3. Coutinho BBA, Balbuena MB, Anbar RA, Anbar RA, Almeida KG, Almeida PYNG. Perfil epidemiológico de pacientes internados na enfermaria de queimados da Associaçao Beneficente de Campo Grande Santa Casa/MS. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(2):50-3.

4. Sodré CNS, Serra MCVF, Rios JAS, Cortorreal CG, Maciera L, Morais EN. Perfil de infecçao em pacientes vítimas de queimadura no Hospital Federal do Andaraí. Rev Bras Queimaduras. 2015;14(2):109-12.

5. Lacerda LA, Carneiro AC, Oliveira AF, Gragnani A, Ferreira LM. Estudo epidemiológico da Unidade de Tratamento de Queimaduras da Universidade Federal de Sao Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(3):82-8.

6. Garcia AP, Pollo V, Souza JA, Araujo EJ, Feijó R, Pereima MJL. Análise do método clínico no diagnóstico diferencial entre queimaduras de espessura parcial e total. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(2):42-9.

7. Ferreira E, Lucas R, Rossi LA, Andrade D. Curativo do paciente queimado: uma revisao de Literatura. Rev Esc Enferm USP. 2003;37(1):44-51.

8. Giordani AT, Sonobe HM, Andrade MA, Valério MA, Guarini G, Rodrigues AT. Perfil sociodemográfico e clínico de pacientes com queimaduras de uma unidade especializada terciária. Rev Enferm UFPE On Line. 2015;9(2):484-92.

9. Rezende MCLB, Albuquerque SRTP, Amaral VLAR. O paciente queimado e a adesao ao tratamento: análise funcional de caso. Estud Psicol (Campinas). 2001;18(3):89-94.

10. Fernandes NC. Melhoria do cuidado ao paciente queimado: orientaçoes para a elaboraçao de um instrumento de avaliaçao [Tese de doutorado]. Mato Grosso do Sul: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca; 2004.

11. Duarte DW, Schuch LH, Crestani T, Debiasi M, Pase PF, Weber ES. Perfil epidemiológico dos pacientes ambulatoriais atendidos na unidade de queimados do hospital de Pronto Socorro de Porto Alegre no ano de 2011. Arq Catarin Med. 2012;41(supl 1):27-9.

12. Peleg K, Goldman S, Sikron F. Burn prevention programs for children: do they reduce burn-related hospitalizations? Burns. 2005;31(3):347-50.

13. Tavares CS, Hora EC. Caracterizaçao das vítimas de queimaduras em seguimento ambulatorial. Rev Bras Queimaduras. 2011;10(4):119-23.

14. Gawryszewski VP, Bernal RTI, Silva NN, Morais Neto OL, Silva MMA, Mascarenhas MDM, et al. Atendimentos decorrentes de queimaduras em serviços públicos de emergência no Brasil, 2009. Cad Saúde Pública. 2012;28(4):629-40.










1. Graduanda do Curso de Enfermagem da Universidade de Sorocaba (UNISO) - Sorocaba, SP, Brasil
2. Graduanda do Curso de Enfermagem da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil
3. Enfermeira, Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Sorocaba (UNISO), docente e Coordenadora do Curso de Enfermagem da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil
4. Enfermeira, Mestre em Ciências na área de Enfermagem Pediátrica, pela Universidade Federal de Sao Paulo (UNIFESP), docente da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil
5. Enfermeira, Mestre em Educaçao nas Profissoes de Saúde pela Pontifícia Universidade Católica de Sao Paulo (PUC), docente da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil
6. Enfermeira, Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Sorocaba (UNISO), docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil
7. Enfermeira, Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Sorocaba (UNISO), docente do Curso de Enfermagem da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil
8. Enfermeira, Mestre em Ciências da Saúde na área de Saúde Coletiva pela Universidade de Sao Paulo (USP), docente da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil

Correspondência:
Débora Gomes Barros
Rua Antônio Perez Hernandez, nº 776, ap 42B
Sorocaba. CEP: 18048-115
E-mail:debora.terra@prof.uniso.br

Artigo recebido: 11/2/2016
Artigo aceito: 9/3/206

Local de realizaçao do trabalho: Curso de Enfermagem da Universidade de Sorocaba (UNISO), Sorocaba, SP, Brasil.

Trabalho de Conclusao de Curso para a obtençao do título de graduaçao em enfermagem da Universidade de Sorocaba.

© 2021 Todos os Direitos Reservados