324
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Análise de pacientes de 0 a 12 anos atendidos no Pronto Socorro para Queimaduras de Goiânia em 2011 e 2012

Analysis of patients from 0 to 12 years served in the Emergency Room for Burns of Goiânia in 2011 and 2012

Isaura Katiana Moura Silva1; Jhesyka Moreira Leandro1; Lívia Ellen França do Amaral1; Ana Carolina Amorim da Silva2; Maryane Leandro Prudente Marçal3; Adriana Márcia Monteiro Fantinati3; Alana Parreira Costa4

RESUMO

OBJETIVO: Analisar os prontuários do Pronto Socorro para Queimaduras (PSQ) de Goiânia dos pacientes com idade entre 0 a 12 anos, atendidos no período de 2011 a 2012 na instituiçao.
MÉTODO: Foi realizado um estudo retrospectivo observacional de caráter quantitativo, analisando as informaçoes coletadas no banco de dados do PSQ de pacientes que deram entrada no dia 1 de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2012. Para análise das informaçoes, foi utilizado o programa Microsoft Office Excel 2013.
RESULTADOS: Foram analisados 2.648 prontuários. Os pacientes classificados como médio queimado representaram 59,74%, a residência foi o local de acidente com maior prevalência (58,57%) e 77,41% apresentaram queimaduras de segundo grau. A parte corporal queimada com maiores índices foi a cabeça e pescoço, com 20,70%, as queimaduras por superfícies de contato representaram 31,43% e o ano de 2011 com maior índice de atendimento (50,18%).
CONCLUSOES: De acordo com os resultados, o agente etiológico predominante foi a queimadura por contato em superfícies aquecidas, seguida por líquidos aquecidos, sendo mais comum na residência da própria criança, com predomínio de lesoes de segundo grau e categoria médio queimado, com acometimento maior em cabeça e pescoço.

Palavras-chave: Queimaduras. Criança. Epidemiologia.

ABSTRACT

PURPOSE: To analyze the medical records of the Emergency Room for Burns of Goiânia of patients aged 0-12 years who were treated between 2011-2012 at the institution.
METHOD: Retrospective observational study of quantitative trait was conducted, analyzing the information collected in the database of the Emergency Room of Burns of patients who were admitted on January 1, 2011 to December 2012. For information analysis software Microsoft Office Excel 2013 was used.
RESULTS: 2648 records were analyzed, patients classified as medium burned accounted for 59.74%, the residence was the site of the accident with the highest prevalence 58.57%, 77.41% had second degree burns, the part with higher body burned was the head and neck with 20.70%, the contact surfaces with 31.43% as agent and the year 2011 with 50.18% higher attendance.
CONCLUSIONS: According to the results, the predominant etiologic agent was burning by contact hot surfaces, followed by hot liquids, most commonly the residence of the child, with a predominance of injuries to high school and middle category burned with greater involvement in head and neck.

Keywords: Burns. Child. Epidemiology.

INTRODUÇAO

A queimadura é uma lesao tecidual produzida por calor excessivo, eletricidade, radioatividade ou substâncias químicas corrosivas que desnaturam as proteínas nas células da pele, destruindo partes importantes para a homeostasia (proteçao contra invasao microbiana, dessecamento e regulaçao da temperatura corporal). É classificada de acordo com a sua gravidade: uma queimadura de primeiro grau afeta a epiderme, a de segundo grau parte da epiderme e da derme, e a de terceiro grau destrói a epiderme, derme e a tela subcutânea1,2.

As lesoes por queimaduras representam um importante problema de saúde pública, por gerar traumas físicos e psicológicos, e em grande parte irreversíveis, com alteraçoes locais como cicatrizes, contraturas, causando uma distorçao da própria imagem3. O tratamento exige, portanto, seriedade e compromisso de várias esferas da saúde e especialmente dos profissionais de saúde4.

A ocorrência de acidentes como a queimadura é um dos aspectos que influenciam o desenvolvimento saudável da criança. Constitui-se uma importante causa de atendimento hospitalar e de internaçao, além de causar sequelas físicas e emocionais relevantes5,6.

Nesse sentido, o presente estudo tem como objetivo analisar o perfil dos pacientes com idade entre 0 a 12 anos atendidos no período de janeiro de 2011 a dezembro de 2012 no Pronto Socorro para Queimaduras - GO, quanto à categoria, local do acidente, grau, parte corporal queimada, agente, ano e mês de atendimento.


MÉTODOS

Foi realizado um estudo retrospectivo observacional de caráter quantitativo, realizado por meio de informaçoes coletadas no banco de dados do Pronto Socorro para Queimaduras (PSQ) - GO. A amostra contou com 2.648 prontuários, contando como critérios de inclusao crianças de ambos os sexos na faixa etária de 0-12 anos, atendidas no PSQ no período de 1º de janeiro de 2011 a 31 de dezembro de 2012. Como critérios de exclusao, estao apenas prontuários com ausência de dados sobre a idade do paciente.

A coleta foi realizada por meio de uma ficha, formulada seguindo o modelo de prontuário da instituiçao. Após a coleta, os dados coletados foram tabulados no programa Microsoft Office Excel 2013r, sendo produzidos gráficos e tabelas para a delimitaçao do perfil epidemiológico.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital de Urgências de Goiânia (HUGO), com o parecer 379.065, no dia 30 de agosto de 2013, estando previsto de acordo com as Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisas envolvendo seres humanos (Resoluçao 466/2012, do Conselho Nacional de Saúde) e regido pelas normas e leis do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), (Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990).


RESULTADOS

Foram analisados 2.648 prontuários, nos quais se observou que a categoria mais acometida foi o médio queimado, com 1.582 (59,74%) pacientes, seguida por pequeno queimado, com 824 (31,11%) pacientes. O local de acidente que apresentou maior índice foi a residência, com 1.551 (58,57%) casos. Queimaduras de segundo grau representaram 2.050 (77,41%) dos prontuários, seguidas por queimaduras de segundo e terceiro grau em conjunto, com 451 (17,03%) casos. Os dados estao representados na Tabela 1.




Com relaçao à parte corporal queimada, verificou-se que 702 (20,70%) pacientes apresentaram queimaduras na regiao de cabeça e pescoço, sendo que queimaduras em membros superiores do lado direito representaram 14,36% (487) (Tabela 2).




Quanto ao agente, as queimaduras por contato se destacaram, com 837 casos (31,43%), seguidas por escaldaduras com 761 casos (28,57%). O menor registro foi de queimaduras químicas, 35 casos (1,31%) (Tabela 3).




Verificou-se ainda que no ano de 2011 ocorreram 1.329 (50,18%) atendimentos, e 1.319 (49,81%) no ano de 2012. Em 2011, os meses com maior incidência de acidentes foram abril, com 143 (10,75%) casos, e julho, com 140 (10,53%). Já em 2012, destacaram-se os meses de setembro, com 149 (11,31%), e de outubro, com 142 (10,78%) casos (Tabela 4).




DISCUSSAO

Com o conhecimento sobre a epidemiologia dos danos da queimadura pediátrica, podemos compreender melhor os fatores de risco e identificá-las especificamente, reduzindo a mortalidade e morbidade com a criaçao de métodos mais efetivos de intervençao.

Com a análise dos 2.648 prontuários coletados, observou-se que o agente etiológico com maior predomínio foram as ocasionadas por contato em superfícies aquecidas (837/31,43%), seguido de queimaduras provocadas por líquidos aquecidos (761/28,58%). Esse achado diferencia-se de um estudo7 realizado em crianças na mesma faixa etária, vítimas de queimaduras internadas na Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital de Urgência de Recife, no qual houve o predomínio da queimadura provocada por líquidos aquecidos (71,6%), seguido pelas queimaduras provocadas por fogo (12,1%). Outros estudos realizados com pacientes pediátricos também relataram a escaldadura como principal agente etiológico6,8,9. Foi observado também no estudo de Coutinho et al.10, que a maior concentraçao das queimaduras foi ocasionada por álcool, perfazendo 18,93% dos casos, contra 18,42% das queimaduras ocasionadas por água fervente.

Em um estudo11 realizado no Hospital Nossa Senhora da Conceiçao, em Tubarao, Santa Catarina, as queimaduras de primeiro e segundo grau foram as mais prevalentes. O mecanismo de lesao mais frequente foi a escaldadura, tanto por água como por outros líquidos ou alimentos quentes, com 56 (50,4%) casos. O segundo agente etiológico mais comum foi o fogo, com 37 (33,3%) pacientes, seguido do contato com superfícies quentes, em cinco (4,6%) casos.

Quanto ao local do acidente, os resultados demonstram que a maioria destes ocorreu na residência dos pacientes (1.551/58,57%). Esse resultado também foi encontrado em uma pesquisa realizada em uma Unidade de Tratamento de Queimaduras (UTQ) da Universidade Federal de Sao Paulo (UNIFESP), na qual a maioria dos acidentes ocorreu também nas residências12. Em outros estudos, também foram encontrados resultados semelhantes acerca do local do acidente13-15, o que reforça a necessidade da inserçao de programas de prevençao relacionados ao ambiente doméstico.

No que se refere à profundidade da lesao, 77,41% dos pacientes apresentaram queimaduras de segundo grau, seguido pelas queimaduras de terceiro (3,32%) e primeiro (0,32%) grau. Esse achado corrobora com um estudo16 no qual as queimaduras de segundo grau representaram 56% dos casos, seguido pelas queimaduras de primeiro grau (39,4%). Em outro estudo7, também houve prevalência das queimaduras de segundo grau 59,3% (284).

Um estudo5 mostrou as regioes corpóreas afetadas pelas queimaduras, com tronco e membros superiores sendo as mais frequentes (44,5%), e somente 13,7% apresentaram queimaduras em cabeça e pescoço, ao contrário dos nossos dados, onde cabeça e pescoço tiveram a maior prevalência. Foi observado no estudo de Andretta et al.11 que a face, tórax e membros superiores foram as partes corporais mais acometidas.

De acordo com Rocha et al.17, que realizaram um estudo no Centro de Tratamento para Queimados de Fortaleza, os membros superiores foram afetados em 21,7% dos casos. As queimaduras na cabeça foram encontradas em 17%, nos membros inferiores 16,4%, na regiao cervical 8,8% e 7,0% das crianças foram acometidas por lesao térmica na genitália.


CONCLUSAO

Os altos índices de crianças que sofrem acidentes por queimadura atentam para a necessidade de prevençao acerca desse tipo de acidente. Como a maioria das queimaduras infantis ocorreu nas residências, aconselha-se a modificaçao desse ambiente como forma de prevençao, além de uma supervisao direta da criança.

Considerando o desconhecimento a respeito das situaçoes de risco de um percentual da populaçao, torna-se necessário desenvolver açoes de orientaçoes por meio de campanhas educacionais junto a escolas e comunidades, além de programas de prevençao em meios de comunicaçao de grande alcance.

Assim, os resultados apresentados neste estudo mostram a urgência da adoçao de medidas de controle e prevençao, bem como a realizaçao de novos estudos que possam colaborar no combate a este importante agravo à saúde infantil.


AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao Pronto Socorro para Queimaduras de Goiânia e à Dra. Mônica Sarto Piccolo pela colaboraçao.


REFERENCIAS

1. Tortora GJ, Derrickson B. Princípios de anatomia e fisiologia. 12ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2010. p.164.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Cartilha para tratamento de emergência das queimaduras. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

3. Machado THS, Lobo JA, Pimentel PCM, Serra MCVF. Estudo epidemiológico das crianças queimadas de 0-15 anos atendidas no Hospital Geral do Andaraí, durante o período de 1997 a 2007. Rev Bras Queimaduras. 2009;8(1):3-9.

4. Pereima M. Particularidades de Queimaduras em Crianças. In: Lima Junior EML, Novaes FN, Piccolo N, Serra MCVF. Tratado de Queimaduras no Paciente Agudo. 2a ed. Sao Paulo: Atheneu; 2009. p.509-19.

5. Martins CBG, Andrade SM. Queimaduras em crianças e adolescentes: análise da morbidade e mortalidade. Acta Paul Enferm. 2007;20(4):464-9.

6. Cartaxo ANB, Alencar AMPG, Sampaio KJAJ, Oliveira JD. Caracterizaçao dos casos de queimaduras infantis em Hospital Materno-Infantil de referência municipal. Cad Cult Cienc. 2011;10(1):45-53.

7. Aragao JA, Aragao ME, Filgueira DM, Teixeira RM, Reis FP. Estudo epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras internadas na Unidade de Tratamento de Queimados do Hospital de Urgência de Sergipe. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(3):379-82.

8. Millan LM, Gerperli R, Tovo FM, Mendaçolli TJ, Gomez DS, Ferreira MC. Estudo epidemiológico de queimaduras em crianças atendidas em hospital terciário na cidade de Sao Paulo. Rev Bras Cir Plást. 2012;27(4):611-5.

9. Oliveira FPS, Ferreira EAP, Carmona SS. Crianças e adolescentes vítimas de queimaduras: caracterizaçao de situaçoes de risco ao desenvolvimento. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009;19(1):19-34.

10. Coutinho BBA, Balbuena MB, Anbar RA, Anbar RA, Almeida KG, Almeida PYNG. Perfil epidemiológico de pacientes internados na enfermaria de queimados da Associaçao Beneficente de Campo Grande Santa Casa/ MS. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(2):50-3.

11. Andretta IB, Cancelier ACL, Mendes C, Branco AFC, Tezza MZ, Carmello FA, et al. Perfil epidemiológico das crianças internadas por queimaduras em hospital do sul do Brasil, de 1998 a 2008. Rev Bras Queimaduras. 2013;12(1):22-9.

12. Lacerda LA, Carneiro AC, Oliveira AF, Gragnani A, Ferreira LM. Estudo epidemiológico da Unidade de Tratamento de Queimaduras da Universidade Federal de Sao Paulo. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(3):82-8.

13. Barreto MGP, Bellaguarda EAL, Burlamaqui MPM, Barreto RP, Oliveira PRT, Lima Júnior EM. Estudo epidemiológico de pacientes queimados em Fortaleza, Ceará: revisao de 1997 a 2001. Rev Pediatr. 2008;9(1):23-9.

14. Fernandes FMFA, Torquato IMB, Dantas MSA, Pontes Júnior FAC, Ferreira JA, Collet N. Queimaduras em crianças e adolescentes: caracterizaçao clínica e epidemiológica. Rev Gaúcha Enferm. 2012;33(4):133-41.

15. Vendrusculo TM, Balieiro CRB, Echevarría-Guanilo ME, Farina Junior JA, Rossi LA. Queimaduras em ambiente doméstico: características e circunstâncias do acidente. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010;18(3):444-51.

16. Santana VBRL. Perfil epidemiológico de crianças vítimas de queimaduras no Município de Niterói - RJ. Rev Bras Queimaduras. 2010;9(4):130-5.

17. Rocha HJS, Lira SVG, Abreu RNDC, Xavier EP, Viera LJES. Perfil dos acidentes por líquidos aquecidos em crianças atendidas em centro de referência de Fortaleza. Rev Bras Promoç Saúde. 2007;20(2):86-91.










1. Acadêmicas de Fisioterapia da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Goiânia, GO, Brasil. Integrantes da Liga Acadêmica de Queimaduras - UEG - ESEFFEGO, Goiânia, GO, Brasil
2. Acadêmica de Fisioterapia da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Goiânia, GO, Brasil
3. Docentes da Universidade Estadual de Goiás (UEG), Goiânia, GO, Brasil
4. Fisioterapeuta do Pronto Socorro para Queimaduras de Goiânia, Goiânia, GO, Brasil

Correspondência:
Isaura Katiana Moura Silva
Avenida Nizia Floresta quadra 39 lote 25 - Bairro Goiá
Goiânia, GO, Brasil - CEP: 74485-337
E-mail:isakatiana@hotmail.com

Artigo recebido: 2/1/2015
Artigo aceito: 18/3/2015

Local de realizaçao do trabalho: Universidade Estadual de Goiás - Unidade Universitária ESEFFEGO, Goiânia, GO, Brasil.

© 2021 Todos os Direitos Reservados