1815
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
CARTA AO EDITOR

Sequelas de queimaduras: nova classificação

Luiz Philipe Molina Vana

Caro editor,

Gostaria de compartilhar um dilema que vivo em minha atividade diária no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de Sao Paulo, onde coordeno um ambulatório de vítimas de queimaduras com um total de 640 pacientes em atendimento. Por se tratar de uma universidade e um hospital escola, a atividade é acompanhada por residentes de cirurgia geral, residentes de cirurgia plástica e alunos de graduaçao em Medicina. Assim, tenho o dever de compartilhar o meu conhecimento, nossas dúvidas e incertezas.

Todo o atendimento realizado segue uma linha de raciocínio padronizado. Este raciocínio se baseia nas alteraçoes da pele que sao classicamente classificadas em sequelas funcionais ou sequelas estéticas. E é este o ponto que gostaria de discutir e propor uma revisao.

O que é uma sequela de queimadura? Nao é fácil encontrar uma definiçao nos livros, mas o senso comum diz que é qualquer alteraçao funcional ou estética da pele secundária a uma queimadura. Quase que naturalmente surge a segunda questao: e o que sao sequelas funcionais e estéticas? As funcionais sao aquelas que levam a uma perda de funçao de alguma estrutura do corpo, como perda da capacidade de extensao completa do braço, ou ainda perda da capacidade de abrir completamente a boca. E quanto às sequelas estéticas? Como defini-las? Seriam as sequelas que nao têm alteraçao de funçao "apenas" da pele. No entanto, acredito que em pacientes vítimas de queimaduras nao haja sequela estética.

Quando buscamos o significado de estética, encontramos a definiçao de Aristóteles, "Estética (do grego αισθητικη ou aisthésis: percepçao, sensaçao) é um ramo da filosofia que tem por objeto o estudo da natureza do belo e dos fundamentos da arte". Assim, o que seria uma cirurgia estética? Acredito que seja aquela cirurgia que busca uma melhora da aparência, com fins de embelezamento. Mas este nao é o caso das vítimas de queimaduras, o que estes pacientes desejam é restabelecer o seu estado prévio à queimadura, sem marcas, sem cicatrizes, sem se preocupar com beleza. Podemos citar como exemplo uma grande cicatriz irregular na face de uma criança ou ainda, uma cicatriz que distorça a mama de uma mulher, sao todas situaçoes que nao têm comprometimento funcional, mas podem levar a problemas sociais (no caso da criança, pode passar a ser vítima de bullying), e pessoais (no caso da mulher, neste caso, dificuldade de se relacionar com o parceiro).

Devemos ainda lembrar a definiçao de saúde pela OMS: "saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e nao apenas a ausência de doença". Pois tenho certeza de muitos pacientes nao desfrutam de saúde por esta definiçao por apresentarem inúmeras sequelas de difícil tratamento.

Assim, acredito que estas sequelas devam ser classificadas como sequelas nao funcionais e nao mais como sequelas estéticas. O impacto desta maneira de classificar estes pacientes ocorre na maneira como o paciente se enxerga, mas, sobretudo, nas solicitaçoes de autorizaçao de cirurgia junto aos convênios, que muitas vezes classificam como cirurgia estética algo que está muito longe de sê-lo. Penso que devemos refletir sobre este assunto, ampliar esta discussao e redefinir a classificaçao das sequelas de queimaduras. Fica minha sugestao para as sequelas de queimaduras, sequelas de queimaduras funcionais e sequelas de queimaduras nao funcionais. Além é, claro, das sequelas psicológicas.

Luiz Philipe Molina Vana - Diretor Científico da Regional Sao Paulo da Sociedade Brasileira de Queimaduras; Wandir Schiozer - Diretor Científico da Sociedade Brasileira de Queimaduras

© 2021 Todos os Direitos Reservados